DNA desvenda mistério de Miranda Eve, uma menina morta no século 19 encontrada no sótão Pular para o conteúdo principal

DNA desvenda mistério de Miranda Eve, uma menina morta no século 19 encontrada no sótão


Finalmente chegou ao fim um mistério que comoveu a cidade de San Francisco, nos Estados Unidos: o descobrimento de um caixão com o corpo em perfeito estado de uma menina de três anos morta há 145 anos.

Em uma cena semelhante a de um filme de terror, o caixão foi encontrado no ano passado durante a reforma de uma casa e a menina foi apelidada de Miranda Eve. Foi feita até uma segunda cerimônia para enterrá-la, na qual compareceram mais de 100 pessoas.

A bizarra descoberta da menina recebeu, no ano passado, uma matéria aqui no blog Noite Sinistra (clique AQUI para acessar), na qual o assunto era explicado, e agora voltamos a falar do mesmo assunto, porém com atualizações a respeito da identidade da menina, conforme os amigos e amigas podem conferir na postagem a seguir.

"Não foi fácil, mas era a coisa certa a se fazer", disse à BBC Mundo Enrique Reade, gerente do Garden of Innocence (Jardim da Inocência, em tradução livre), uma ONG que enterra crianças não identificadas ou abandonadas e que se responsabilizou pela investigação do caso.

Após "mais de mil horas de investigação de 34 voluntários estudando 29.982 registros de enterros, comparando mapas de 1870 com 2017, analisando registros de um cemitério que não existe, rastreando árvores genealógicas e análises de DNA, descobrimos quem foi Miranda Eve", diz a organização em seu site.

"Miranda Eve" na verdade se chamou Edith Howard Cook, nascida em 28 de novembro de 1873 e morta em 13 de outubro de 1876.


A causa da morte foi marasmo, uma forma crônica de desnutrição.

Ela tinha sido enterrada no cemitério Odd Fellows, que não existe mais, no distrito de Richmond em São Francisco.

O caixão feito de chumbo e bronze que continha o corpo perfeitamente conservado de Edith foi encontrado em maio de 2016, durante a reforma de uma casa construída em 1936.

Segundo jornais locais, o caixão estava hermeticamente vedado, o que explica por que o corpo estava bem conservado.

Através da superfície do vidro, era possível observar seu interior: uma menina loira com um vestido branco feito à mão e decorado com delicados laços.

Seu cabelo era adornado com uma rosa e folhas de eucaliptos nas laterais. Também exalava forte cheiro de lavanda.

Os indícios comprovam que ela parece ter sido enterrada com grande esmero e amor.

Sem saber o que fazer, os operários chamaram a proprietária da casa, Ericka Karner, que estava fora da Califórnia com o marido e os filhos.




"Em primeiro lugar, fiquei chocada, obviamente, ao saber que havia um caixão de uma menina debaixo da casa", disse Ericka ao jornal americano Los Angeles Times.

"Mas, passado o susto, não fiquei muito surpresa, porque conhecia a história da região".

A área a que Karner se refere é o distrito de Richmond, em San Francisco, onde havia vários cemitérios no final do século 19.

Com a expansão da cidade, as autoridades aprovaram uma série de portarias que priorizaram a construção de residências. Como resultado, os mortos tiveram de ser mudados de lugar.

O antigo cemitério Odd Fellows ficava abaixo do que mais tarde seria a casa de Ericka.

O local foi fechado no final do século 19 e todos os corpos enterrados ali foram transferidos para valas comuns na cidade vizinha de Colma.

Acredita-se, contudo, que a menina misteriosa com cachos loiros teria sido deixada para trás por alguma razão.

Ao procurar as autoridades locais, Ericka foi informada que a responsabilidade seria dela mesma, já que o caixão havia sido encontrado em seu terreno. Foi aí que ela procurou a ONG.

"Não conseguimos fazer [essa investigação] com todas as crianças, só conseguimos fazer isso com essa menina graças ao interesse e à ajuda que recebemos", disse Reade à BBC Mundo.

Elissa Davey, chefe da investigação, mostra mapa de cemitério de Odd Fellow
A ONG deu uma nova lápide a Miranda em 4 de junho de 2016, no cemitério de Greenland Memorial Park em Colma, Califórnia. O mistério comoveu tanto a cidade de São Francisco que 140 pessoas compareceram à cerimônia.

Na lápide, foi gravada a seguinte frase: "Se não houve luto, ninguém se lembrará". Agora, descobriu-se sua verdadeira identidade.

A primeira fase da investigação foi identificar em que parte do então cemitério estaria a casa da família Karner. Em seguida, começou a busca por possíveis familiares da menina que haviam sido enterrados perto dela.

O próximo passo foi investigar as histórias desses familiares para achar descendentes vivos e então fazer um exame de DNA, a última fase do processo.

Peter Cook, sobrinho-neto de Edith, ajudou na investigação ao fornecer uma amostra de seu DNA

A Universidade da Califórnia, de Santa Cruz, fez uma análise comparativa de DNA e descobriu que havia uma coincidência clara entre as amostras da menina e as de um parente vivo - Peter Cook, sobrinho-neto de Edith, que vive na região da Baía, na Califórnia.

"Quando começamos, não sabíamos nada sobre ela e o trabalho de investigação não foi fácil, mas era um desafio pessoal para todos", afirma Reade.


Fonte: BBC

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Comentários

  1. Quantum Binary Signals

    Get professional trading signals sent to your cell phone daily.

    Follow our signals NOW & make up to 270% per day.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Siga-nos no Facebook

Postagens Recomendadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais acessadas no último mês

Links da Deep Web 2018

Saudações amigos e amigas. Hoje eu volto a publicar no blog Noite Sinistra uma matéria com links da deep web e prints da deep web.
Os links apresentados na matéria abaixo foram coletados entre janeiro e fevereiro de 2018, estando todos eles ativos nesse período, mas nada pode garantir que os mesmos estarão ativos até o final do ano, afinal de contas muitos sites na deep web mudam constantemente seus endereços afim de se manterem o mais seletivos quanto aos usuários que frequentam o espaço.

Exorcismo e orações em Latim

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Luka Rocco Magnotta (nascido Eric Clinton Kirk Newman; 24 de julho, 1982) é um ator pornográfico e modelo acusado de matar e desmembrar Lin Jun, um estudante chinês, e mandar vários de seus pedaços por correio para escritórios de partidos políticos canadenses e para escolas elementares de outra província.
Após o vídeo mostrando o assassinato ser publicado, primeiramente, em Fóruns da Deep Web (o vídeo ficou conhecido como "1 Lunatic 1 Ice Pick"), porém hoje em dia o vídeo já pode ser facilmente encontrado em sites especializados em terror Gore, Magnotta fugiu do país, tornando-se motivo para uma “Nota Vermelha da Interpol”, e assim iniciando uma verdadeira caçada internacional. Ele foi preso em 4 de Junho de 2012 em uma Lan House em Berlin, enquanto lia notícias a respeito de si mesmo.

O paraíso do LSD

Em 1997, um químico orgânico chamado Leonard Pickard, junto a Gordon Todd Skinner, construíram o maior laboratório de LSD do mundo. No local, um antigo silo nuclear, eram realizadas várias festas e orgias regadas a drogas.
Segundo fontes, tal laboratório era tão grande que chegou a produzir cerca de 90% do LSD disponível no mundo, isso sem falar nas grandes quantidades desconhecidas de MDMA, ALD-52, extrato de ergot e possivelmente LSZ.

Ted Bundy: O assassino de jovens mulheres

Saudações amigos e amigas. Hoje falaremos de um dos mais notórios serial killers que o mundo já conheceu: Ted Bundy. Ele assassinou cerca de 35 mulheres (crimes reconhecidos pelas autoridades) entre os anos de 1974 e 1978 em seis diferentes estados dos EUA. Ted Bundy é tido, por muitos, como o mais marcante serial killer dos EUA, tornando-se um verdadeiro pop star, muito disso talvez pela forma em que atuou no seu próprio julgamento, ou talvez pela desenvoltura que demonstrava defronte as câmeras em inúmeras entrevistas que deu durante o período em que esteve preso.