Filmes relembram vida de apresentadora que se matou ao vivo na TV Pular para o conteúdo principal

Filmes relembram vida de apresentadora que se matou ao vivo na TV


Uma imagem perturbadora foi ao ar, ao vivo, nas TVs de Sarasota, Flórida (EUA), na manhã de 15 de julho de 1974. "Para dar continuidade à política do Canal 40 de trazer a vocês as últimas notícias sobre sangue e miolos, vocês verão outro primor: uma tentativa de suicídio".

A jornalista de 29 anos Christine Chubbuck pronunciou essas palavras ao vivo durante seu programa dominical, para então disparar um tiro atrás da orelha. Ela morreu horas depois em um hospital local.

Esse caso ganhou contornos de lenda urbana, e já foi abordado aqui no Blog Noite Sinistra (clique AQUI para responder), gerando uma série de opiniões divergentes nas redes sociais e nos comentários na época.

Quarenta anos depois, a história trágica de Chubbuck, e do primeiro suicídio ao vivo da TV americana e que gerou grande comoção nacional, volta à tela com o filme Christine, protagonizado pela atriz inglesa Rebecca Hall, e do documentário Kate Plays Christine, ambos inspirados no perfil psicológico da jornalista.

Os filmes estão na seleção oficial do prestigiado Festival de Sundance.


Quem era Christine Chubbuck?

A carreira da jornalista, nascida em Hudson, Ohio, despontava. Aos 29 anos, ela já era dona de um programa de televisão aos domingos de manhã no Canal 40 da cadeia WXLT (atualmente, WWSB/Canal 7).

Chubbuck foi descrita por colegas como "talentosa e entusiasmada" na reportagem sobre sua morte no jornal local Herald Tribune.

Pouco antes de tragédia, havia sido promovida a diretora de relações públicas da empresa. Até que, oito dias antes do suicídio, ela fez uma confissão que alarmou o colega de emissora Rob Smith.

Chubbuck contou ter comprado um revólver. "Por quê?", perguntou Smith. "Estou pensando em explodir meus miolos ao vivo", respondeu ela.

"Ela era problemática, mas também muito jovem", lembra Steve Newman, que foi produtor do programa de Chubbuck até três meses antes da fatalidade.

A jornalista também sofria períodos de depressão.

Roteiro

Christine Chubbuck premeditou em detalhes o suicídio. Após a tragédia, seu editor no programa, Mike Simmons, afirmou ter encontrado o roteiro do programa com manchas de sangue. Chubbuck havia colocado o momento do suicídio no script do programa daquele domingo.


A polícia embargou a fita com a gravação do programa. Depois, a família a destruiu.

O caso serviu parcialmente de inspiração ao filme Rede de Intrigas, de 1976, que venceu o Oscar.

Agora, quatro décadas depois, a estreia de Christine e de Kate Plays Christine - respectivamente dirigidos por Antonio Campos e Robert Greene - em Sundance não é mera coincidência, segundo ambos.

"Basta você ler um jornal e notará que o que aparece (neles) é terrível. O conceito de publicar sensacionalismo começou no anos 1970. E Christine foi uma manifestação disso", disse Campos ao Instituto Sundance.

Alguns jornais afirmaram à época que Chubbuck estava insatisfeita com a virada editorial do canal, que insistia em mostrar imagens fortes para elevar índices de audiência.

Sensacionalismo

Mas um ex-colega e atual apresentador do canal Steve Newman diz que, no fundo, os novos filmes sobre Chubbuck "revivem um evento profundamente doloroso", insinuando que talvez explorem, de outra forma, a tragédia.

"No fim das contas, tudo se reduz a um suicídio cometido na TV ao vivo", disse Newman à BBC Mundo.

Mas o crítico de cinema da revista especializada Variety Peter Debruge assistiu a ambos os filmes e não concorda.

Sobre o filme de ficção, ele diz que a cena com o suicídio é a antepenúltima, e a morte é tratada muito sutilmente, "a partir do ponto de vista da equipe na cabine de controle".

No caso do documentário, Debruge lembra que o foco está nas dificuldades de uma atriz em interpretar o personagem Christine Chubbuck.

Fonte: BBC

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Comentários

  1. Não acho que ela tenha se matado ao vivo só pelo fato do sensacionalismo sangrento estar crescendo, foi só o bode expiatório... é muito mais complexo do que isso. Mas eu já assisti quase tudo que já produziram baseado nessa história e é tudo muito bom. De um jeito meio torto, a história dela sempre me fascinou.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Siga-nos no Facebook

Postagens Recomendadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais acessadas no último mês

Links da Deep Web 2018

Saudações amigos e amigas. Hoje eu volto a publicar no blog Noite Sinistra uma matéria com links da deep web e prints da deep web.
Os links apresentados na matéria abaixo foram coletados entre janeiro e fevereiro de 2018, estando todos eles ativos nesse período, mas nada pode garantir que os mesmos estarão ativos até o final do ano, afinal de contas muitos sites na deep web mudam constantemente seus endereços afim de se manterem o mais seletivos quanto aos usuários que frequentam o espaço.

Exorcismo e orações em Latim

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Luka Rocco Magnotta (nascido Eric Clinton Kirk Newman; 24 de julho, 1982) é um ator pornográfico e modelo acusado de matar e desmembrar Lin Jun, um estudante chinês, e mandar vários de seus pedaços por correio para escritórios de partidos políticos canadenses e para escolas elementares de outra província.
Após o vídeo mostrando o assassinato ser publicado, primeiramente, em Fóruns da Deep Web (o vídeo ficou conhecido como "1 Lunatic 1 Ice Pick"), porém hoje em dia o vídeo já pode ser facilmente encontrado em sites especializados em terror Gore, Magnotta fugiu do país, tornando-se motivo para uma “Nota Vermelha da Interpol”, e assim iniciando uma verdadeira caçada internacional. Ele foi preso em 4 de Junho de 2012 em uma Lan House em Berlin, enquanto lia notícias a respeito de si mesmo.

O paraíso do LSD

Em 1997, um químico orgânico chamado Leonard Pickard, junto a Gordon Todd Skinner, construíram o maior laboratório de LSD do mundo. No local, um antigo silo nuclear, eram realizadas várias festas e orgias regadas a drogas.
Segundo fontes, tal laboratório era tão grande que chegou a produzir cerca de 90% do LSD disponível no mundo, isso sem falar nas grandes quantidades desconhecidas de MDMA, ALD-52, extrato de ergot e possivelmente LSZ.

Ted Bundy: O assassino de jovens mulheres

Saudações amigos e amigas. Hoje falaremos de um dos mais notórios serial killers que o mundo já conheceu: Ted Bundy. Ele assassinou cerca de 35 mulheres (crimes reconhecidos pelas autoridades) entre os anos de 1974 e 1978 em seis diferentes estados dos EUA. Ted Bundy é tido, por muitos, como o mais marcante serial killer dos EUA, tornando-se um verdadeiro pop star, muito disso talvez pela forma em que atuou no seu próprio julgamento, ou talvez pela desenvoltura que demonstrava defronte as câmeras em inúmeras entrevistas que deu durante o período em que esteve preso.