O Vampiro de Niterói | Noite Sinistra
30/08/2018

O Vampiro de Niterói


Marcelo Costa de Andrade foi acusado da morte de cerca de catorze meninos nas redondezas de Itaboarí, cerca de 30 quilômetros de Niterói, no Rio de Janeiro, no ano de 1991. Ele acabou conhecido como Vampiro de Niterói por causa da forma com que eles assassinava suas vítimas. Segundo matéria da revista Veja de 19 de fevereiro de 1992:

"todas as vítimas executadas com requintes de crueldade e violência sexual… que o transformou num dos mais horrendos serial killers, .... Em perversidade e até em número de vítimas, os assassinatos se equivalem aos do americano Jeffrey Dahmer, o canibal que aterrorizou a cidade de Milwaukee, nos Estados Unidos"

A cidade do Rio de Janeiro sempre foi conhecida pela beleza e por seus atrativos turísticos. Turistas de todas partes do mundo visitam o Rio de Janeiro em busca de diversão e entretenimento. Pela sua fama, o Rio de Janeiro ganhou o status de Cidade Maravilhosa. Copacabana, Ipanema, Cristo Redentor, Pão de Açúcar, Carnaval, são nomes conhecidos em qualquer canto do planeta. Não muito longe de toda essa beleza ficam as favelas cariocas. Áreas degradadas, com moradias precárias, e com milhares de pessoas vivendo em situação de pobreza extrema, misturando-se a bandidos de todos os tipos. Essas pessoas convivem diariamente com prostituição, crimes, assassinatos, estupros, tráfico de drogas e de armas. E nesse caótico cenário estão os meninos de rua.

De famílias paupérrimas, muitos sofriam (e ainda sofrem) abusos dentro de casa, outros não tinham nem o que comer, a única alternativa era ir para as ruas tentar ganhar algum dinheiro vendendo balas, limpando vidros de carros, engraxando sapatos ou, na maioria das vezes, pedindo esmola. Muitos desses meninos ajudavam em grande parte o sustento de suas casas e de seus irmãos mais novos. Hoje em dia, ainda é comum vermos nas ruas pais usando as crianças para conseguir algum dinheiro para alimentar toda família. Parte desses meninos viravam delinquentes e cometiam crimes, mas uma grande parte queria apenas comer. Uma situação que, para a maioria dos habitantes da cidade, era comum.

O Rio de Janeiro vivia uma onda de matança. Só no centro de Niterói (um município conurbado à cidade do Rio de Janeiro) havia uma média de 60 homicídios por mês, uma das maiores taxas do mundo, comparáveis a países africanos em guerra (algo que até hoje não mudou). A maioria dos assassinatos eram de pessoas pobres, ligadas ao tráfico ou ao crime em geral. Porém, alguns dos assassinatos chamaram a atenção de um psiquiatra forense do estado.

Em 1991 todos os casos de assassinatos eram investigados de forma separada, não havia um sistema de delegacia legal, não havia troca de informações e não havia um banco de dados capaz de fornecer dados primordiais para a elucidação de possíveis homicídios em série. O sistema ainda não era informatizado. Cada caso era tratado e investigado de forma particular. Era praticamente impossível saber se vários daqueles assassinatos ocorridos no Rio de Janeiro, bairros periféricos e cidades conurbadas como Niterói, tinham alguma ligação.

Vítima aparentando ter 6 anos de idade é encontrada em uma tubulação de esgoto em Niterói-Manilha por um pescador. Fonte: Discovery Channel.
Muitos desaparecimentos de crianças acabaram acontecendo na região naquela época, e a ligação entre alguns desses casos só seria descoberta após a prisão do criminoso.

Infância e adolescência problemáticas

Marcelo nasceu em 2 de janeiro de 1967, no Rio de Janeiro e viveu parte da sua infância na Rocinha, uma favela do Rio de Janeiro. Vivia num lar desestruturado, e sua mãe, uma empregada domestica, apanhava constantemente do marido. Foi mandado por um período para a casa dos avós, no Ceará, local onde disse que apanhava muito. Tempos depois foi mandado de volta para o Rio de Janeiro, onde constantemente era vitima de maus tratos pelos novos companheiros dos pais, que haviam se separado. Foi nesse período que foi abusado sexualmente por um homem mais velho.


Foi então internado em um colégio para meninos, mas não tinha bom desempenho nas aulas. Lá era hostilizado pelos colegas e chamado de retardado. Aos catorze anos foi mandado embora do internato, pois a instituição só acolhia jovens de 6 a 14 anos.

Assim que saiu do internato passou a se prostituir. Segundo Marcelo, sempre era passivo durante seus programas, mas certa vez um homem mais velho o teria obrigado a ser ativo, o que o perturbou muito. Nessa época ele tentou cometer suicídio. Tempos depois ele foi enviado para Funabem, mas meses depois fugiu e voltou a se prostituir, sendo que aos dezesseis anos foi morar com outro homossexual, Antonio Batista Freire, que começou a sustentá-lo e o apresentou à Igreja Universal do Reino de Deus. Mesmo com o sustento do companheiro, Marcelo continuava a se prostituir, até que se separou do porteiro e voltou para a casa da família.


      O Quarto de Marcelo Costa de Andrade. Na mesa, uma foto da primeira comunhão

As revistas encontradas no quarto de Marcelo Costa de Andrade. "Ele tinha uma caixa onde ele guardava muitas revistas. Revistas indecentes. Revistas de sexo. Tinha vários shorts que ele dizia que daria de presente para crianças. Ele gostava de dar balas para crianças. Fazer festinha não dava para desconfiar que ele estava com maldade. Ele ficava rindo, esquisito." Sônia Xavier Costa, mãe de Marcelo
A partir daí largou a prostituição e começou a trabalhar formalmente, ajudando a família nas contas e nos afazeres domésticos.

Marcelo frequentava os cultos da seita a cerca de dez anos na época, além de assistir as celebrações pela TV diariamente. Segundo ele, foi num desses cultos que ouviu que quando as crianças morrem, elas vão para o céu. Segundo a lógica do assassino, ele não matava adulto, pois poderia os estar mandando para o inferno.

A mesma seita da igreja era uma parte importante da vida de Marcelo. Quando não estava lendo as pregações do bispo Edir Macedo, estava lendo revistas pornográficas. Gostava de ouvir músicas da Xuxa e de outros ídolos infantis da época. A mãe de Marcelo conta que ele tinha o estranho hábito de ficar ouvindo uma fita gravada de quando o irmão mais novo estava chorando.

Crimes descobertos

No dia 16 de dezembro de 1991, Altair Medeiros de Abreu, de 10 anos, teria saído com seu irmão, Ivan Medeiros de Abreu até a casa de um vizinho, que lhe havia prometido oferecer um almoço. Na época o pré-adolescente morava numa zona de pobreza do bairro do bairro Santa Isabel, em São Gonçalo, município vizinho de Niterói. Os dois eram filhos de Zélia de Abreu, empregada doméstica que possuía mais cinco filhos.


Quando os dois garotos passavam pela estação central de Niterói, os dois foram abordados por Marcelo, que segundo Altair teria lhe oferecido cerca de quatro mil cruzeiros para que os dois o ajudassem a realizar um ritual religioso católico. Os três pegaram um ônibus e foram parar numa praia deserta, nos arredores do Viaduto do Barreto. Nesse momento, Marcelo tentou beijar o garoto mais velho, que fugiu assustado, mas sendo capturado em seguida e derrubado no chão; atordoado, ele viu seu irmão Ivan ser abusado sexualmente por Marcelo, que após o ato, o enforcou, avisando Altair que seu irmão estava dormindo.

Em entrevista em 2008 Zélia de Abreu declarou: "Eles saiam para venderem doces. Eu falava para eles terem cuidado. Eles respondiam: Mãe não acontece nada com a gente não. Tinha dia que voltava tinha dia que ficava na rua."

Assustado, Altair passou a fazer tudo o que Marcelo queria, sendo depois levado pelo assassino até um posto de gasolina onde se limpou sobre os olhos atentos de Marcelo. Os dois dormiram em um matagal, e na manhã seguindo partiram para o Rio de Janeiro. Segundo consta, durante o trajeto Marcelo teria se oferecido para morar com Altair, que teria concordado imediatamente. Nos depoimentos após o crime, Marcelo disse que teve piedade do garoto, pois ele teria sido "bonzinho” e prometido ficar com ele. Na época, Marcelo trabalhava como distribuidor de plânfletos, e teria que aparecer no trabalho para buscar seus papéis. Assim que se distraiu, Altair aproveitou e fugiu do assassino.

Quando chegou em casa, por carona, Altair não revelou que seu irmão havia sido morto, só revelando o crime para uma das irmãs mais velhas dias depois. Marcelo não teria tentado procurar Altair nem tentado esconder o corpo, voltado no local do crime tempos depois para modificar a posição do corpo. Corpo esse que foi encontrado por policiais horas depois. Segundo consta, as mãos do garoto estavam dentro dos shorts, o que afastou a tese inicial de afogamento, sendo constatado o abuso sexual no IML.

Quando o corpo foi identificado pela mãe de Ivan, Altair levou os policiais até o trabalho de Marcelo, que confessou o crime imediatamente, não demonstrando surpresa. Marcelo foi levado para a delegacia. Os policiais comunicaram um Juiz sobre a prisão do suspeito. Os investigadores de Niterói queriam um representante do judiciário no interrogatório para assegurar que o suspeito não alegasse posteriormente que foi forçado a dar algum depoimento.

Durante o interrogatório, Marcelo não parava de rir, o que deixou os investigadores bastante nervosos.

“Eu fiz amor com ele… sabe? Amor!”, repetia Marcelo a todo momento.

Ele explicou tudo o que tinha acontecido. Disse que queria fazer amor com a vítima. Disse que fez aquilo com os garotos porque eles eram lindos, que o Altair tinha os olhos lindos. Os traços fisionômicos e o olhar dele eram muito estranhos, aterrorizador, dava medo. Ele conversava com você e de repente dava uma gargalhada do nada. Ele não tinha emoção, não trasmitia emoção. Em nenhum momento ele chorou”. 
[Carlos Augusto Ponce Leon]

A mãe do suspeito, Sônia Xavier Costa, descobriu que ele estava preso e foi para a delegacia. Em seu depoimento, ela disse que Marcelo havia ficado muito agressivo nos últimos meses e evitava que ele tivesse contato com os irmãos menores. A mãe tinha medo dele. “Seu problema é uma risadeira sem sentido”, disse ela.

 Sônia Xavier Costa, mãe de Marcelo declarou que certa vez o filho queria desesperadamente um facão. "Não queríamos dar o facão pra ele não porque estávamos com medo. Perguntei pra ele: Você quer levar o facão pra onde essa hora da noite ? Ele estava muito estranho, ficava rindo sem parar. Quando ele voltou, sua roupa e o facão estavam sujos de sangue, perguntei o que era aquilo e ele disse que tinha matado um porco. Tomei o facão dele e escondi."

Um assassino em Série

Na delegacia, Marcelo confirmou ser o autor de mais doze assassinatos. Ele revelou um dos seus primeiros crimes. Segundo o próprio, em junho do ano de 1991, ele havia acabado de descer de um ônibus quando viu o garoto Odair Jose Muniz dos Santos, de onze anos, pedindo esmolas na rua. Marcelo então o convenceu supostamente para ir até a casa de uma tia e pegar cerca de 3000 cruzeiros para dar o garoto. Mas na verdade Marcelo o atraiu até um campo de futebol e tentou abusar do menino, como não conseguiu, o enforcou.


“(...)Não reparei se ele estava vivo ou morto quando o estuprei. Não consegui me satisfazer. Apertei sua garganta mais uma vez para garantir que a alma dele fosse para o céu.

Logo após, Marcelo foi para casa jantar e voltou mais tarde, onde decapitou o corpo do garoto. Marcelo afirmou que fez isso com o garoto para se vingar do que faziam com ele durante a época que viveu no internato. Além disso, o assassino disse que se inspirava para cometer crimes nos cultos da seita da Igreja Universal do Reino de Deus.


Seu primeiro crime ocorreu em abril de 1991. Ele estava voltando do trabalho quando viu um garoto vendendo doces na avenida. Inventou a mesma história do dinheiro e do ritual religioso e o levou para um matagal. Tentou fazer sexo com o garoto, mas esse resistiu. Marcelo o agrediu com pedras e depois o asfixiou e o estuprou. Segundo ele foi a partir daí que não conseguiu mais parar de cometer crimes. No seu segundo crime, matou Anderson Gomes Goulart, 11 anos, estraçalhou sua cabeça, bebeu o seu sangue enquanto o estuprava e depois quebrou seu pescoço.

Na Foto: Marcelo Costa de Andrade. "Ao lado desse esqueleto tinha leite e resíduos de pão. Nós perguntamos porque ele havia trazido aqueles alimentos. Ele respondeu que era para alimentar a criança. Mas eu questionei: 'Mas ela já estava morta Marcelo ?' Ele respondeu: 'Mas o seu espírito não.' Então perguntei: 'O que você fazia com o esqueleto ?' Ele respondeu: 'Ah eu pegava a mão do esqueleto e masturbava e me arranhava com a outra mão do esqueleto.' Ele não tinha sentimento, a ação dele era só sexual, satisfazer suas necessidades, como um animal." Augusto Ponce Leon
Ao ver o esqueleto, Marcelo pega a bermuda da vítima e começa a esfregar as mãos como se tivesse revivendo o seu assassinato.
Em dezembro de 1991, ele conheceu dois irmãos nas ruas de Niterói, Altair e Ivan Abreu. Marcelo violentou e matou o pequeno Ivan, de 6 anos, diante do olhar horrorizado de Altair, de quem também abusou. Deixar o menino com vida foi o começo do seu fim. Assim que conseguiu escapar, Altair Abreu voltou para sua casa e a denúncia do desaparecimento de Ivan logo chegou à polícia. Guiados pela pequena vítima, os agentes capturaram Marcelo Costa de Andrade na frente de seu local de trabalho, no bairro de Copacabana.

No início, o assassino confessou apenas a morte de Ivan Abreu, mas o depoimento de sua mãe, Sonia Andrade, foi essencial para provocar uma confissão espantosa. A mulher apresentou um facão ensanguentado que Marcelo escondia em sua casa. Diante da arma do crime, ele confessou 14 assassinatos e guiou a polícia até as cenas dos crimes.

(Depoimentos de Marcelo Costa de Andrade)


A Primeira Vítima

“Peguei ele a força e fiz sexo com ele. Matei ele enforcado com a própria camisa dele. Uns dois meses depois voltei no local e ele ainda tava lá. Tirei a bermuda dele e os dentes. Voltei lá umas duas vezes, na terceira ele já não estava mais lá.” 

A Segunda Vítima

“Vi que ele era bonito, tinha uma bermuda bonita, tinha o bumbum bonito… levei ele pro túnel e penetrei nele várias vezes, gozei dentro… beijei a boca dele… ai depois matei ele enforcado.”

A Terceira Vítima

“Beijei a boca dele tudo… deixei ele dormir. Tinha uma pedra grande lá e eu esmaguei a cabeça dele… sangrou muito… peguei minha vasilha que levava marmita e deixei o sangue escorrer dentro. Bebi o sangue todo… depois coloquei meu pênis nele de novo e gozei.”

A Quarta Vítima

“…eu queria ver a bunda dele e tudo, mas antes de me agarrar nas nádegas dele, aí como já tava sentindo um sadismo muito forte já, aí bati várias vezes com a mão no rosto dele, né… Aí ficou todo deformado, né. Aí depois eu penetrei meu pênis na bunda dele.. bati com uma pedra na cabeça dele… deixei o sangue dele escorrer na vasilha aí eu bebi o sangue dele todo.”

A Quinta Vítima

“Ele era todo bonito, parecia até uma menina… enfiei uma chave de fenda na barriga dele… tirei a bermuda dele, lambi as pernas, o bumbum dele todo… beijei a boca dele, chupei a boca dele tudo… enfiei meu pênis no bumbum dele e gozei tudo… peguei uma pedra grande e soltei na cabeça dele… bebi todo o sangue dele.”

A Sexta Vítima

“…ele ficou com medo de mim, né. Aí eu penetrei dentro da bunda dele, né, meu pênis, aí gozei dentro dele… com esse eu passei a noite toda… esse eu não bebi o sangue não, não tinha nada por perto pra fazer eu sangrar ele, né"

A Sétima Vítima

“…eu chamei ele porque vi que ele era todo bonito, né… Ele até gritou no começo. Saiu até um pouco de sangue e tudo, no começo, né… Depois eu comecei a beijar a boca dele e tudo. Cheirar o cabelo dele e tudo também. Aí depois de duas horas eu meti na bunda dele, pra gozar de novo.. Aí me satisfiz, aí eu tirei a camisa dele e enforquei com a camisa dele, e esse morreu logo.”

A Oitava Vítima

“…As pernas bonitas, lisinhas e tudo, de bermuda e tudo, rosto bonito… abaixei a cabeça dele no concreto… aí já começou a sangrar muito a cabeça dele. Aí botei a vasilha pra escorrer o sangue dentro da vasilha e aí bebi o sangue dele… Aí penetrei meu pênis dentro das nádegas dele… aí depois de algum tempo eu gozei dentro dele, nas nádegas dele, né. Aí ele nem gritou, que ele já tava fraco já, né? Aí resolvi, matei ele enforcado… com a camisa dele mesmo.”

A Nona Vítima

“Agarrei ele a força, beijei o corpo dele tudo, penetrei meu pênis na bunda dele e gozei muito… fiz umas três vezes assim… enforquei ele com a camiseta dele… ele estava morto mas era muito bonito aí eu beijei ele e fiz tudo de novo”.

A Décima Vítima

“…aí eu deixei uma pedra grande cair em cima da cabeça dele… aí eu deixei o sangue dele cair dentro da vasilha, que eu levava comigo pro trabalho, né, aí eu bebi o sangue dele todo”.

A Décima Primeira Vítima

“…não deu pra penetrar meu pênis nele, que ele era muito novo, né? Aí penetrei nas coxas dele, né. Aí gozei nas coxas dele. Aí tinha um riacho, uma lagoa pequena ali, né, que enche de água de chuva, né. Aí matei ele afogado lá, aí deixei lá ele morto lá”.

A Décima Segunda Vítima: Ivan

“Matei o pequeno enforcado… eu queria o Altair que era maior. Não fiz nada com o menorzinho. Ai beijei a boca do Altair, fiz sexo com ele… Fomos pro posto de gasolina e dormimos, quando amanheceu o dia namorei com ele de novo, toquei uma punheta olhando pro rosto dele, gozei no rosto dele todo… não matei ele não, deixei ele pra fazer mais de noite, matar de noite. Fui para o trabalho e ele fugiu.”

Marcelo confessou aos investigadores que matou uma criança em Belo Horizonte, Minas Gerais. Em fevereiro de 1992 ele foi entregue à polícia mineira. Alguns investigadores de Niterói o acompanharam. Eles foram até o alto de uma pedreira onde ele disse que havia cometido o crime. Os investigadores percorreram todo o local mas não encontraram nenhum vestígio do corpo. É provável que Marcelo tenha enganado e pensado que o garoto havia morrido. Mas o mais provável é que o corpo e os ossos tenham sido triturados com a brita. Havia passado quase um ano do fato e dificilmente eles encontrariam algum vestígio naquele lugar.

Doente mental

Parecia certo que Marcelo era um doente mental. A dúvida era saber se ele poderia ser responsabilizado criminalmente pelos crimes que cometeu. Em março de 1992, Marcelo foi internado no Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Heitor Carrilho, no Rio de Janeiro, para submeter-se a um exame de sanidade. Sua família foi exaustivamente entrevistada e os peritos do hospital passaram 45 dias observando seu comportamento. Se fosse considerado inimputável, trocaria a prisão por um hospital psiquiátrico.

Essa vida marginal, sem valores, ligado apenas à sobrevivência pessoal… preocupado apenas com o que que eu vou comer amanhã, onde vou dormir… isso leva uma pessoa a ter esse tipo de conduta, muito desviada da norma social. Se você associar uma conduta antissocial a uma conduta psicopática, aí realmente passa ser um retardo mental com aspectos psicopáticos. Eu coloquei no laudo que ele era parcialmente responsável. Mas o juiz não aceitou, considerou que ele era irresponsável e portanto não aplicou pena nenhuma nele. Mandou ele ficar internado até sua recuperação.[Dr. Miguel Chalub, psiquiatra forense] 

Marcelo Costa de Andrade foi considerado inimputável perante às leis brasileiras. Não foi julgado por nenhum dos seus crimes. Sua pena foi a internação em um Hospital Psiquiátrico por tempo indeterminado. De três em três anos, passaria por novos exames, podendo ganhar a liberdade caso algum laudo concluísse estar curado.

Na época houve uma certa controvérsia sobre essa decisão. Na mesma época em que Marcelo era considerado inimputável, um outro serial killer era considerado culpado pelos seus crimes. O canibal americano, Jeffrey Dahmer, cometeu crimes tão terríveis, (ou até mais) quanto os de Marcelo, porém, ao contrário de Marcelo, Dahmer foi considerado são e mandado para uma penitenciária nos Estados Unidos. A comparação entre os dois casos, na época, foi imediata.


Fuga

Em custódia, conseguiu fugir do hospital psiquiátrico Heitor Carrillo em janeiro de 1997. Depois de 12 dias, foi recapturado em Guaraciaba do Norte, no Ceará, onde passou parte de sua infância. Ao chegar lá ficou perambulando pelas ruas. Foi reconhecido por uma familiar e denunciado para polícia. Foi recapturado dias depois.


Marcelo vive até hoje em reclusão no hospital psiquiátrico Henrique Roxo, manicômio judicial da cidade do Rio de Janeiro.

Vampiro de Niterói quer sair de manicômio onde está internado

Após 25 anos internado em manicômios judiciários, Marcelo Costa de Andrade, serial killer que ficou conhecido na década de 1990 como Vampiro de Niterói, após ser apontado como autor de 14 assassinatos de crianças, quer continuar seu tratamento fora de hospitais de custódia. A defesa de Marcelo pediu, em 2017, à Justiça sua saída do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Henrique Roxo, onde ele está internado. A promotora Danielle de Souza Caputi Kalache de Paiva, que acompanha a execução penal de Marcelo, opinou, nesta semana, pela permanência do réu na unidade. A decisão, agora, cabe à Vara de Execuções Penais.

"O pedido é para uma saída temporária, uma situação intermediária entre internação e liberdade. Mas ele não tem condições de sair do hospital psiquiátrico. Ele fala com orgulho dos delitos que praticou, não tem consciência de que o que fez é errado. Além disso, a equipe que cuida de sua internação nunca indicou que ele pudesse sair do hospital" afirma a promotora.

Em julho de 2017, o Tribunal de Justiça negou um outro pedido da defesa de Marcelo. Na ocasião, o réu queria a elaboração de um “Projeto Terapêutico de Desinstitucionalização” para que ele fosse posto em liberdade. No pedido, a Defensoria Pública, que representava Marcelo à época, alegou que ele é “mais um paciente dentre vários outros internos por medida de segurança” e que o tratamento não é uma pena, mas um meio de reinserir o réu na sociedade. Marcelo recebeu sentenças de internação psiquiátrica em cinco processos diferentes.

Procurado na época pelo jornal EXTRA, o advogado de Marcelo, Carlos Roberto de Santana Gargel, afirmou que assumiu recentemente o caso e ainda não vai se pronunciar sobre ele.

No último laudo elaborado pela equipe da unidade onde Marcelo está internado, feito este ano, os especialistas afirmam que Marcelo é portador de doença mental incurável. Segundo a decisão da desembargadora Maria Angélica G. Guerra Guedes, que negou o pedido da defesa do réu para elaboração de tratamento alternativo, Marcelo “não apresenta condições para a construção de um projeto terapêutico”.

Ainda de acordo com o documento, por conta da gravidade do caso, seria necessário “acompanhamento mais efetivo de outras instâncias para uma discussão mais apurada” sobre a situação de Marcelo, que segundo a promotora Danielle Paiva, é única em hospitais de custódia do Rio.

Fontes: O Aprendiz Verde, Extra e Memórias Assassinas

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Num caso patológico-forense como este, se fôssemos um país realmente sério, ele jamais teria o direito de pedir uma condicional sequer.

    ResponderExcluir
  2. se tivesse pena de morte nessa merda de Brasil, esse sujeito já tava no inferno faz tempo já...

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no Instagram

Postagem em destaque