Assassino Richard Speck | Noite Sinistra
19/07/2018

Assassino Richard Speck


Em 1966, Richard Speck cometeu um dos mais horrendos assassinatos em massa da história norte-americana, quando ele brutalizou e matou oito estudantes de enfermagem que moravam no lado sul de Chicago.

Richard Speck capturou a atenção do país durante o verão de 1966, depois de assassinar oito alunas que moravam juntas no lado sul de Chicago. Antes disso, ele havia sido responsável por outros atos de violência contra sua família e outros, mas tinha o dom de escapar da polícia. Após a matança em 1966, uma perseguição teve inicio e ele foi capturado dois dias depois. Ele passou o resto da vida na prisão até morrer de um ataque cardíaco em 1991, aos 49 anos.

Primeiros anos

Richard Benjamin Speck nasceu em 6 de dezembro de 1941, em Kirkwood, Illinois, em uma grande família religiosa, onde ele era o sétimo de oito filhos. Após a morte de seu pai, quando Speck tinha seis anos, sua mãe se casou novamente, mudando a família para Dallas, no Texas. As crianças sofreram consideráveis ​​abusos nas mãos de seu padrasto bêbado, e a infância de Speck foi marcada por delinquência juvenil e abuso de álcool, o que logo levou a pequenos crimes.

Em novembro de 1962, Speck se casou com Shirley Malone e tiveram uma filha, Bobby Lynn, logo depois. O período de casado acabou sendo curto. Em 1963 ele acabou preso por roubo e fraude. Tendo sido solto em janeiro de 1965, ele ficou apenas quatro semanas fora do cárcere, antes de ser preso novamente por agressão. Por esse crime ele foi preso por mais 16 meses, dos quais ele cumpriu 6 meses.

Durante este período, ele tinha as palavras "Born to Raise Hell" tatuadas em seu braço, um sentimento que a esposa Shirley experimentou em primeira mão: Ela pediu o divórcio em janeiro de 1966. Depois que Speck foi preso por roubo e assalto, ele fugiu para Chicago em busca de abrigo com sua irmã, Martha, alguns meses depois. Ele passou alguns dias lá antes de viajar para Monmouth, Illinois, onde ficou com alguns amigos da família desde a infância.

Crimes terríveis

Por um curto período de tempo ele foi carpinteiro, mas logo voltou a ter problemas: Virgil Harris, de 65 anos, foi violentamente assaltado em sua própria casa em 2 de abril de 1966 e, em 13 de abril, uma garçonete em uma taverna local, Mary Kay Pierce foi brutalmente espancada até a morte. Ele conseguiu desviar o interrogatório da polícia e fugir novamente, mas a polícia descobriu alguns dos pertences pessoais da vítima no quarto de hotel de Harris, isso ligou ele ao assassinato dela.

Em fuga Speck encontrou trabalho em um navio. Uma trilha de corpos começou a aparecer onde Speck estivesse. As autoridades de Indiana queriam entrevistar Speck a respeito do assassinato de três meninas que haviam desaparecido em 2 de julho de 1966 e cujos corpos nunca foram encontrados. As autoridades de Michigan também queriam questioná-lo sobre seu paradeiro durante o assassinato de outras quatro mulheres, com idade entre 7 e 60 anos, já que seu navio estava nas proximidades na época. Speck, no entanto, parecia ter um jeito de escapar rapidamente e manter as forças policiais longe.

Esses ataques, no entanto, ficaram insignificantes no sábado, 13 de julho de 1966, quando Speck chegou à porta de uma casa no sul de Chicago, que serviu como um lar comunitário para um grupo de oito jovens estudantes do South Chicago Community Hospital.

Quando o Corazon Amurao, de 23 anos, abriu a porta da frente atendendo a batida de Speck, ele forçou sua entrada na mira de uma arma. Speck então dominou as enfermeiras e ordenou que esvaziassem as bolsas antes de amarrá-las. Ele começou a brutalizar as vítimas da maneira mais horrível nas poucas horas seguintes. As jovens que não estavam em casa no momento do início do ataque, acabaram sujeitas aos ataques brutais do criminoso quando voltaram para casa mais tarde naquela noite.

Um total de oito mulheres, entre 19 e 24 anos, foram sistematicamente amarradas, roubadas, espancadas, estranguladas e esfaqueadas durante o frenesi de Speck. Segundo o NY Times, pelo menos uma vítima foi estuprada. A contagem de corpos era tão alta que ele não percebeu que Amurao, que abrira a porta para ele quando chegara, conseguiu se esconder debaixo de uma das camas. Quando ele saiu, horas depois, pegando o dinheiro que havia roubado, ela permaneceu em seu esconderijo, aterrorizada, por horas, antes de finalmente reunir coragem para procurar ajuda. Ela subiu no peitoril da janela e gritou por socorro, quando vizinhos preocupados chamaram a polícia.



A prisão

A polícia chegou ao local da carnificina e levou Amurao sob custódia, entrevistando-a e prosseguindo com a construção de uma imagem do kit de identificação. Felizmente, Amurao se lembrou da distintiva tatuagem "Born to Raise Hell" que, junto com a imagem, permitiu que a polícia identificasse seu suspeito como Richard Speck. Inquéritos subsequentes em todo o país também levantaram os outros incidentes em que Speck foi suspeito, bem como seu registro criminal. Nos dias anteriores à identificação automatizada de impressões digitais, demorou quase uma semana para identificar as impressões encontradas na casa como dele.


A cobertura da mídia espalhou a imagem de Speck pelas primeiras páginas e, em uma tentativa desesperada de escapar, Speck tentou cometer suicídio em 19 de julho de 1966, cortando seus pulsos no hotel em que estava hospedado. Mudando de ideia no último minuto ele pediu ajuda e foi levado ao hospital de Cook County, onde, novamente, sua tatuagem o denunciou, e ele foi preso e levado sob custódia. Ele estava precisando de uma cirurgia para consertar sua artéria decepada, e foi vigiado por uma dúzia de policiais que estavam determinados a garantir que seus dias de fazer fugas de sorte acabassem.

O julgamento

O julgamento de Speck começou em 3 de abril de 1967, e sua alegação de que ele não tinha nenhuma lembrança dos oito assassinatos cometidos colocou Corazon Amurao no centro das atenções como a testemunha principal. Apesar das preocupações sobre sua capacidade de testemunhar depois de sua provação angustiante, ela teve um desempenho impecável, impressionando o júri com todos os detalhes daquela noite, identificando Speck inequivocamente.


O julgamento durou apenas 12 dias e, em 15 de abril de 1967, o júri considerou Speck culpado de todos os oito assassinatos, após menos de uma hora de deliberação. O juiz condenou Speck à morte.

Morte

Em 1972, a sentença de morte de Speck foi comutada para 100 anos de prisão, quando a Suprema Corte dos EUA aboliu a pena de morte. Tendo cumprido 19 anos dessa sentença, ele morreu de um ataque cardíaco em 5 de dezembro de 1991.

Speck nunca foi oficialmente acusado dos assassinatos de que ele era suspeito antes dos eventos que ocorreram na casa do Sul de Chicago e, oficialmente, esses casos permanecem sem solução.

Em 1996, cinco anos após a morte de Speck, um jornalista de TV divulgou um vídeo na prisão, mostrando Speck tomando drogas e praticando sexo com outro detento durante os anos 1980, quando era preso no Instituto Correcional de Statesville; Speck parece ter seios no vídeo, aparentemente como resultado do tratamento hormonal recebido enquanto estava na prisão, e está usando roupas íntimas femininas. No vídeo, Speck também admite casualmente a morte das enfermeiras, descrevendo os estrangulamentos com algum detalhe, e se gabando da força necessária para matar alguém dessa maneira.


O lançamento do vídeo causou um grande escândalo dentro do Departamento de Correções de Illinois, e foi amplamente citado como justificativa para a reintrodução da pena de morte. Em 1991, enquanto ainda estava na prisão, Speck morreu de ataque cardíaco.
By: Elson Antonio Gomes

Fonte: Biography

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



1 Comentários
Comentários
Um comentário:

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no Instagram

Postagem em destaque