O dedo gigante mumificado encontrado no Egito


Várias civilizações possuem mitos e fábulas e até mesmo a bíblia trás relatos de seres humanos gigantescos. Tais descrições tem instigado uma grande gama de entusiastas que acreditam que num passado distantes seres humanos imensos caminharam pela terra entre os "humanos comuns".

Na matéria de hoje trazemos a história de um dedo mumificado gigante que teria sido descoberto no Egito. Convido todos a conhecer um pouco mais a respeito desse assunto.

O misterioso dedo gigante


Quando o fotógrafo suíço Gregor Spörri estava viajando pelo Egito, em 1988, não pensou duas vezes para visitar a casa de uma família cujas origens estavam ligadas a saqueadores de tumbas. Ao entrar na residência, que fica numa fazenda a 100 km de Cairo, capital do Egito, o turista pagou US$ 300 (cerca de R$ 1.140) para ter acesso aos "tesouros" que estavam ali há anos. Entre as "relíquias", Spörri encontrou algo inacreditável: um dedo mumificado de 38 cm de comprimento.

Leia Mais: O ‘Livro de Gigantes’ entre os pergaminhos do Mar Morto


Segundo o suíço, o membro gigante estava guardado numa caixa comprida e enrolado em panos de aparência antiga. "Era uma caixa alongada, que cheirava a mofo. Fiquei espantado com a relíquia marrom escura. O dedo estava rachado e coberto com mofo seco. Meu coração batia na boca. Foi incrível", conta Gregor Spörri ao site do jornal alemão Build. Ele revela ainda que a família egípcia permitiu que fossem tiradas fotos daquela estranha "relíquia" arqueológica. Colocaram até uma nota ao lado do artefato, para mostrar as dimensões. Os donos daquele curioso material ainda fizeram questão de mostrar para o fotógrafo um suposto certificado de autenticidade e uma suposta radiografia do dedo – ambos datados da década de 1960.

Pelos cálculos da publicação alemã, um dedo de 38 cm teria de pertencer a um ser humano com cerca de 3,6 m de altura. Como isso não é possível, biologicamente falando, a descoberta do fotógrafo traz à tona as antigas lendas de gigantes, como os chamados nefilins, que, segundo a bíblia judaica, teriam habitado a região de Canaã (onde hoje existe Israel), há milhares de anos, antes do dilúvio.

Leia Mais: Os Nefilins, os gigantes da Bíblia


Gregor Spörri não teve mais contato com a família egípcia detentora do estranho dedo mumificado. Em 2009, ele retornou ao Egito, para tentar verificar a história desse "achado" arqueológico, mas não conseguiu novas informações. Ele descobriu apenas que havia um sarcófago gigante, inacabado, na parte de baixo da pirâmide de Gizé. Porém, não foi possível vincular essa descoberta ao dedo.

Leia Mais: Kap Dwa, o gigante de 2 cabeças da Patagônia


Curiosamente, após essa nova visita ao Egito, o fotógrafo decidiu mudar de vida e lançou um livro intitulado The Lost God: Tag der Verdammnis (O Deus Perdido: Dia do Juízo Final, em tradução livre), que, em forma de suspense, relata uma história ficcional sobre uma misteriosa relíquia e as aventuras criadas por aqueles que tentam decifrá-la. "Eu não sou cientista. Construí o romance para que fugisse da explicação científica. Os leitores devem olhar para a relíquia e tirar suas próprias conclusões", diz Spörri ao site do Build.




By: Elson Antonio Gomes


Quando amanhecer, você já será um de nós...

Comentários

  1. Muito boa matéria, como sempre. Melhor blog de mistérios .:.

    ResponderExcluir
  2. será que não é de papel machê tbm???:))

    ResponderExcluir

Postar um comentário

SIGA-NOS NO FACEBOOK

POSTAGENS MAIS VISITADAS DA SEMANA

Links da Deep Web 2019

Links da Deep Web 2018

O menino do quarto Branco: A assombração da república Maracangalha - MG

Links da Deep Web

Os terríveis crimes da Rua do Arvoredo

Links Sinistros 152

A lenda da mulher do Táxi