Meteoro passa pela costa do Rio Grande do Sul e ilumina céu na madrugada


Bólido entrou na atmosfera a 122,2 mil km/h, e começou a perder força. Especialista calcula que o meteoro foi extinto a 36 km de altitude, sem causar qualquer dano.

Uma câmera instalada em Taquara, na Região Metropolitana de Porto Alegre, registrou a queda de um meteoro na madrugada de sexta-feira (12) [veja o vídeo abaixo]. O pós-doutor em Engenharia e diretor científico da Brazilian Meteor Observation Network (Bramon), professor Carlos Fernando Jung, responsável pela captura das imagens, informou que o bólido entrou na atmosfera a 122,2 mil km/h, e começou a perder força. O especialista calcula que o meteoro foi extinto a 36 km de altitude, sem causar qualquer dano.

O fenômeno foi captado também por câmeras em Torres, no Litoral Norte, e em Santa Catarina. Ele pôde ser visto por alguns segundos, às 3h21 (horário de Brasília).

"Ele pesava 12 kg quando ele entrou na atmosfera, com o tempo ele diminuiu a massa, até que os fragmentos foram mínimos. O objeto foi totalmente consumido em sua passagem atmosférica, a cerca de 145 Km sobre o mar da costa do Rio Grande do Sul", afirma.

O professor conta que no grupo Bramon, cada um, de forma voluntária com equipamento próprio, realiza registros dos fenômenos.

"Cada pessoa adquire seu próprio equipamento, e mantém operando 24h. O grupo reúne vários profissionais, que trabalham de forma voluntária em prol de fazer o registro, a análise", conta.

O professor tem câmeras funcionando em Taquara, São Leopoldo e Porto Alegre.

"As câmeras têm imagens 360 graus. Elas captam todo o Rio Grande do Sul, o Uruguai, Santa Catarina, Paraná, parte da Argentina", afirma.

Segundo Jung, bólido é o nome dado ao meteoro quando ocorre a explosão. São meteoros que possuem uma magnitude igual ou superior a -4, forma de uma "bola", daí vem o nome popular de "bola de fogo", explica o professor.

Bólidos podem ser seguidos de explosões ou explodirem no final. "Diariamente, a terra é bombardeada por meteoros, que entram aqui, são atraídos pela gravidade da Terra. É uma coisa comum. Durante o dia e a noite, não tem hora, nem lugar para acontecer. Mas não é normal a gente fazer um registro dessas proporções", explica o professor.


Fontes: UOL e G1

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Comentários

SIGA-NOS NO FACEBOOK

POSTAGENS MAIS VISITADAS DA SEMANA

Links da Deep Web 2018

A brutal morte de Hipatia, a primeira matemática da História

O 'manual para pedófilos' encontrado no computador de um médico no Brasil que surpreendeu a polícia

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Links da Deep Web 2019

O caso Liana Friedenbach e Felipe Caffé

Links da Deep Web