Peter Scully: O maníaco pedófilo australiano


Peter Scully é um australiano que foi condenado por diversos casos de tortura, tráfico de seres humanos, abusos sexuais cometidos contra crianças e assassinato. Muitos dos abusos cometidos por ele acabaram sendo  filmados e publicados na Deep Web.

O maníaco Australiano da Deep Web

Peter Gerard Scully (nascido em 13 de janeiro de 1963) é um australiano que, em setembro de 2016, foi julgado nas Filipinas por inúmeros crimes, incluindo abuso sexual infantil, assassinato de uma menina filipina de 11 anos de idade, e tortura seguido de abuso sexual de pelo menos oito meninas, incluindo uma criança de 18 meses de idade.


Em 2018 ele acabou condenado a prisão perpétua pelos seus crimes. Outros processos contra ele continuam em andamento por crimes como: produção e disseminação de pornografia infantil, tortura e assassinato.

Em 2011, Scully fugiu de Melbourne, na Austrália, para as Filipinas, depois de ser acusado de vários delitos de fraude. Da ilha filipina de Mindanao, ele administrou uma rede internacional de pedofilia e ofereceu vídeos em pay-per-view transmitidos pela deep web onde crianças eram torturadas e abusadas sexualmente. Dois de seus vídeos, Daisy's Destruction e Dafu love, acabaram ganhando repercussão.

Uma rede de crimes contra menores

No dia 20 de fevereiro de 2015, a polícia chegou até a casa Scully, depois de receber uma denúncia anônima. Lá os policiais encontraram o corpo de uma criança de dez anos enterrada debaixo de sua casa de aluguel em Malaybalay. A partir desse momento uma rede criminosa encabeçada pelo australiano começava a ruir.


Durante os três anos em que esteve nas Filipinas, Scully criou o seu lucrativo negócio de venda online de vídeos pornográficos infantis, tendo contratado dez pessoas para ajudá-lo no esquema. 

Scully e seus comparsas atacavam crianças carentes, com promessas de comida e presentes. O relato de duas crianças que sobreviveram às monstruosas torturas de Scully pinta o que acontecia a outras tantas vítimas da quadrilha.

As primas Daisy, 11 anos, e Queenie, 10 anos, disseram a um jornal filipino que foram convidadas a ir até uma casa por Carmen, que agia como uma recrutadora, com a promessa de receberem comida. Ao chegarem ao local, as meninas foram espancadas por Carmen enquanto Scully filmava. Na manhã seguinte, as crianças foram obrigadas a cavar um profundo buraco no jardim que seria a cova delas. Elas fizeram isso por cinco dias seguidos. Em meio ao trabalho, Scully obrigou que elas tirassem as roupas e beijassem uma a outra. Depois, elas tiveram que praticar sexo oral no acusado. Tudo era filmado.


Em uma noite, Carmen sufocou uma das garotas com um travesseiro para ela parar de chorar, ao mesmo tempo em que Scully abusava sexualmente dela. Elas foram obrigadas a beber álcool até caírem inconscientes. No outro dia acordaram dentro da cova que haviam cavado.

Os abusos sexuais continuaram com toques sadomasoquistas até Daisy conseguir fugir e contar a horrível história aos pais. Mais tarde descobriu-se que Carmen havia facilitado a fuga.

Daisy com a toalha na cabeça
Foi relatado que muitas das crianças eram mantidas no local usando coleiras de cães e acorrentados como tais.

Na casa onde Scully e seu bando agiam a polícia descobriu evidências de que Scully vendia crianças e adolescentes para homens da Europa, além de arranjar encontros sexuais com seus clientes. Diversos vídeos mostravam meninas de até 13 anos sendo obrigadas a manterem relações sexuais com bebês, alguns com menos de 1 ano de idade.

A medida que as investigações evoluíam outras pessoas foram acusadas de participar do esquema. Carmen Ann Alvarez, Liezyl Margallo e Maria Dorothea eram as principais aliciadoras de Scully.

A produção dos filmes contou com a participação de quatro homens - o alemão Christian Rouche, os filipinos Alexander Lao e Althea Chia e o médico brasileiro Haniel Caetano de Oliveira.

Daisy's Destruction

A mais notória da produção de Scully foi intitulada de Daisy's Destruction, que ele vendeu para clientes por até US$ 10.000. O filme foi feito em 2012, e possui trechos de violência explícita extrema, tendo se tornado famoso por isso, mas como o valor de venda era alto poucos de fato conseguiram assistir a película, o que levou o filme a ser considerado como uma lenda urbana.


Mas infelizmente a lenda urbana era real.

O filme mostra cenas da tortura e o brutal estupro de várias garotas. Boa parte dos atos foram cometidos por Scully e alguns cúmplices das filipinas.

As três principais vítimas retratadas no filme foram Liza, de 12 anos, Cindy, com 11 anos e Daisy um bebê de apenas 18 meses de idade.

Incentivado por Scully, alguns dos piores abusos físicos e sexuais foram cometidos nas crianças por uma de suas namoradas, Liezyl Margallo, de 19 anos, que antigamente era prostituída quando criança. De fato parece que Margallo foi a única molestadora de Daisy. A introdução do filme convida o espectador a observar a "ruína mental" de Daisy quando ela "aprende como agradar sua amante". Lembrando que Daisy tinha apenas 18 meses de idade.


Scully lançou Daisy's Destruction através da sua produtora intitulada "No Limits Fun". O filme foi vendido pela deep web para outros pedófilos. Entre os que o adquiriram, um dos maiores fornecedores de pornografia infantil de todos os tempos, o também australiano Matthew David Graham.

Leia mais: Red Rooms, os mortais sites da Deep Web


Preso aos 22 anos, Graham dirigiu um site de pornografia infantil o "Hurt2theCore". Graham disse que conseguiu o vídeo para que ele pudesse usá-lo para atrair mais espectadores à sua rede de sites.

A prisão de Scully

O filme já estava no radar das autoridades a algum tempo, e uma força conjunta da polícia local e órgãos internacionais já investigavam os arredores de Malaybalay City, quando Scully acabou preso. Anteriormente eu havia comentado que uma denúncia anônima levou a polícia até Scully, mas existe uma segunda versão que diz que a polícia havia chegado até ele sozinhos, como resultado das investigações do vídeo.

No momento que Peter Scully foi preso já haviam sido emitidos 6 mandados de busca para investigar a moradia de alguns suspeitos. A polícia pretendia executar todos os mandatos no mesmo dia. As autoridades sabiam que nem todos suspeitos teriam de fato ligação com o caso, então decidiram agir em todas as frentes de investigação ao mesmo tempo, evitando assim que algum engano permitisse que o bando por trás do filme Daisy's Destruction conseguisse fugir.


Após a prisão de Scully os investigadores descobriram o destino das três principais vítimas em Daisy's Destruction. Liza foi encontrada viva, assim como Daisy, embora seu tratamento tenha sido tão cruel que ela tenha sofrido lesões físicas duradouras, afinal ela era apenas um bebê quando foi molestada. Cindy, de onze anos, foi assassinada, supostamente por Scully. Antes de ser estrangulada até a morte com uma corda, a menina foi submetida a ataques de estupro e tortura. De acordo com Margallo, Scully filmou-se matando Cindy.

Carmen Ann Alvarez
Quando questionada sobre mais detalhes Liezyl Margallo não soube dizer o que aconteceu com a filmagem, existindo a possibilidade de Scully estar transmitindo o crime em tempo real. Até onde pude averiguar a polícia nunca consegui rastrear essa filmagem, o que pode indicar que Margallo estivesse mentindo ou que de fato Scully tenha transmitido o crime em tempo real para algum site de Streaming na deep web, em umas das famigeradas Red Rooms, sites da deep web onde, mediante pagamento em bitcoins, o usuário poderia inclusive conduzir a ação de um abusador/torturador durante o ataque a uma vítima (clique AQUI para saber mais).

Carme Ann Alvarez (esquerda) e Peter Gerard Scully (centro) durante a primeira audiência das acusações feitas contra eles na sala do juiz José Escobido em 2016


Fontes: Wikipédia e Metro


Quando amanhecer, você já será um de nós...

Comentários

  1. demonios..que apodreçam no inferno...deveriam ser todos os pedófilos e estupradores condenados a uma morte muito lenta e muito dolorosa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente muito terrível esse caso. É assustador o tipo de coisa que certos seres humanos são capazes de fazer...

      Excluir
  2. Desgraçados, vão todos queimar no inferno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh assim esperamos...tomara que ele sofra em dobro pelos males que ele causou...

      Excluir
  3. Preocupante é o trecho que diz: Scully criou o seu ""lucrativo"" negócio de venda online de vídeos pornográficos infantis.
    Isto significa que este monstro não é um caso isolado, mas que no mundo há centenas, talvez milhares de monstros iguais.
    Precisamos estar sempre atentos vigiar muito bem nossas crianças.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe Elson...a gente vê muito texto falando de coisas absurdas na Deep Web, muitas delas levamos como mitos, lendas e tal, mas veja esse caso, os vídeos do cara eram vendidos a um preço super alto para um público super selecionado tanto que os vídeos dele acabaram sendo considerados lendas... A questão que fica para mim é: quantas dessas lendas absurdas da deep web ainda podem ser verdadeiras?

      Excluir
    2. Também tenho este mesmo pensamento.

      Excluir

Postar um comentário

SIGA-NOS NO FACEBOOK

POSTAGENS MAIS VISITADAS DA SEMANA

Maníacos de Dnepropetrovsk (3 guys and 1 hammer)

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Links da Deep Web 2019

Links da Deep Web 2018

Paixão e Assassinato: A história de Sada Abe e Kichizo Ishida

Links Sinistros 152

Links da Deep Web