Cocoliztli, a epidemia que dizimou os astecas há 500 anos Pular para o conteúdo principal

Cocoliztli, a epidemia que dizimou os astecas há 500 anos


Nem o sarampo, a varíola e o tifo provocaram tantas mortes entre os indígenas americanos como uma epidemia que os nativos apelidaram de o "cocoliztli".

Em meados do século 16, a população de indígenas dos territórios que hoje fazem parte da Guatemala e do México foi reduzida em 15 milhões em um período de cinco anos.

Além dos danos que as guerras e a exploração por parte dos espanhóis causaram, uma doença desconhecida acabou com a vida de entre 50% e 80% dos nativos em duas grandes epidemias ocorridas em 1545 e 1576.

Os surtos foram chamados de "cocoliztli", uma palavra da antiga língua indígena nahuatl, usada pelos povos astecas, que pode ser traduzida como enfermidade ou mal.

Agora, uma equipe internacional de cientistas estima que esse mal misterioso foi, na realidade, a salmonela.


Enigma

A pesquisa, publicada na segunda-feira na publicação científica Nature, Ecology and Evolution, identificou o agente infeccioso presente nos restos mortais de dezenas de pessoas enterradas sob o campo de Yucundaa-Teposcolula, em Oaxaca, no México.

Os cientistas responsáveis pelo estudo são do Instituto para a Ciência da História Humana Max Planck (MPI-SHH, na sigla em alemão), na Alemanha, da Universidade Harvard e do Instituto Nacional Mexicano de Antropologia e História (INAH).

Foi possível identificar restos da bactéria Salmonella enterica nos dentes dos cadáveres, que tem mais de 500 anos de idade.


O Yacundaa-Teposcolula é o único local onde se há registro histórico do enterro de índios que morreram por causa do cocoliztli.

É a primeira vez que esse tipo de bactéria é considerada causa de uma epidemia dessa magnitude - tida como uma das primeiras pragas do mundo.

Escritos da época dizem que a doença provocava febres altas, dores no estômago, diarreias e até hemorragia, o que levava as vítimas a morrerem em questão de dias.

Um método inovador de análise de DNA antigo permitiu identificar o agente causador da doença em dentes de cadáveres com mais de 500 anos de idade
Nenhum dos sintomas correspondia aos das doenças conhecidas na época, como o sarampo ou a malária.


Culpa dos espanhóis?

A salmonela foi descoberta na Europa durante a Idade Média, no período que antecedeu a chegada dos espanhóis ao território americano.

O contágio se dá normalmente por meio de água e comida contaminados, e os cientistas acreditam que o agente causador da doença pode ter chegado ao México com os animais que os espanhóis levaram em seus barcos.

"Com os dados que temos no momento, não podemos saber geneticamente se nossa Salmonella enterica Paratyphi C veio da Europa ou se já existia no México antes da chegada dos europeus", disse a principal autora do estudo, Åshild Vågene.

Mas há evidências circunstanciais, diz ela, porque não foram encontrados restos desta bactéria nos índios que morreram antes da chegada dos colonizadores.

O fato é que as cartas e documentos do século 16 que foram preservados falam, inclusive, de uma espécie de maldição divina, já que os indígenas eram os únicos que morriam por cocoliztli - os espanhóis não eram afetados.

Fonte: BBC

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Comentários

Siga-nos no Facebook

Postagens Recomendadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais acessadas no último mês

Links da Deep Web 2018

Saudações amigos e amigas. Hoje eu volto a publicar no blog Noite Sinistra uma matéria com links da deep web e prints da deep web.
Os links apresentados na matéria abaixo foram coletados entre janeiro e fevereiro de 2018, estando todos eles ativos nesse período, mas nada pode garantir que os mesmos estarão ativos até o final do ano, afinal de contas muitos sites na deep web mudam constantemente seus endereços afim de se manterem o mais seletivos quanto aos usuários que frequentam o espaço.

Exorcismo e orações em Latim

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Luka Rocco Magnotta (nascido Eric Clinton Kirk Newman; 24 de julho, 1982) é um ator pornográfico e modelo acusado de matar e desmembrar Lin Jun, um estudante chinês, e mandar vários de seus pedaços por correio para escritórios de partidos políticos canadenses e para escolas elementares de outra província.
Após o vídeo mostrando o assassinato ser publicado, primeiramente, em Fóruns da Deep Web (o vídeo ficou conhecido como "1 Lunatic 1 Ice Pick"), porém hoje em dia o vídeo já pode ser facilmente encontrado em sites especializados em terror Gore, Magnotta fugiu do país, tornando-se motivo para uma “Nota Vermelha da Interpol”, e assim iniciando uma verdadeira caçada internacional. Ele foi preso em 4 de Junho de 2012 em uma Lan House em Berlin, enquanto lia notícias a respeito de si mesmo.

O paraíso do LSD

Em 1997, um químico orgânico chamado Leonard Pickard, junto a Gordon Todd Skinner, construíram o maior laboratório de LSD do mundo. No local, um antigo silo nuclear, eram realizadas várias festas e orgias regadas a drogas.
Segundo fontes, tal laboratório era tão grande que chegou a produzir cerca de 90% do LSD disponível no mundo, isso sem falar nas grandes quantidades desconhecidas de MDMA, ALD-52, extrato de ergot e possivelmente LSZ.

Ted Bundy: O assassino de jovens mulheres

Saudações amigos e amigas. Hoje falaremos de um dos mais notórios serial killers que o mundo já conheceu: Ted Bundy. Ele assassinou cerca de 35 mulheres (crimes reconhecidos pelas autoridades) entre os anos de 1974 e 1978 em seis diferentes estados dos EUA. Ted Bundy é tido, por muitos, como o mais marcante serial killer dos EUA, tornando-se um verdadeiro pop star, muito disso talvez pela forma em que atuou no seu próprio julgamento, ou talvez pela desenvoltura que demonstrava defronte as câmeras em inúmeras entrevistas que deu durante o período em que esteve preso.