23/02/2018

'Máscara' de bronze encontrada há quase 30 anos intriga moradores do litoral do Paraná


Artigo foi achado na Praia dos Amores, em Caiobá, balneário de Matinhos; arqueólogos dizem que é preciso investigar mais para chegar à origem dele.

Há quase 30 anos, uma peça achada em um mergulho na Praia dos Amores, em Caiobá, balneário de Matinhos, intriga moradores do litoral do Paraná. O artigo de bronze, que parece uma máscara de cerca de 30 centímetros, foi encontrada pelo empreiteiro Diomar Renato Cunha, o Seto.

Seto morreu, em 2002, sem saber qual a origem do objeto. O designer Marcos Bonatto - que era amigo e costumava mergulhar junto com ele para pescar - conta que, por muito tempo, eles tentaram descobrir de onde o artefato veio.

"O Diomar achou entre 1989 e 1990. Eu não estava junto, mas costumávamos mergulhar bastante ali no local. Ele encontrou a peça junto com umas pedrinhas, ali na água", lembra. À época, Marcos conta, os dois procuraram muita gente para tentar descobrir a procedência do objeto.

"Procuramos o Museu Paranaense, arqueólogos. Historiadores nos disseram que não poderia ser da Civilização Fenícia por causa da tecnologia do furo. Tentamos contato com museus fora do país, mas sem retorno. Também falaram que poderia ser de cunho religioso ou uma carranca", explica.

Marcos conta que, apesar dos esforços, ele e o amigo nunca tiveram uma resposta definitiva sobre o assunto.


"A gente sempre ficou na curiosidade de descobrir. Nós e muita gente que mora no litoral, né?! Saiu até no jornal da região. Eu, particularmente, também já pesquisei muito, muito mesmo, e não achei nada de concreto", relata.

Atualmente, o artefato está em Matinhos, com a viúva de Seto.

O que os arqueólogos dizem

O arqueólogo e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Laércio Loiola Brochier.

"É uma peça sem contexto. Com isso, quero dizer não foi encontrada em uma atividade sistemática de arqueologia subaquática, onde, talvez, fosse possível relacionar outros achados no mesmo local", justifica.

A arqueóloga Cláudia Inês Parellada, que trabalha no Museu Paranaense, em Curitiba, desde 1984. Ela conta que moldes de gesso da peça chegaram a ser feitos no museu, mas que a investigação não foi para frente pela falta do objeto original.

"À época, eles nem nos falaram direito de onde havia sido retirada. Falaram que era do litoral do Paraná e só. Para ter alguma resposta melhor, seria necessário identificar a liga metálica, em método arqueométrico, não destrutivo; e também a forma de produção dessa liga", afirma.

Para Cláudia, o artefato pode ser parte do adorno de alguma embarcação, por exemplo. "Tem traços medievais, de cavaleiro, com simbologias variadas. Como um objeto solto, sem análises maiores, fica difícil identificar com segurança", acredita.
By: Elson Antonio Gomes
Fonte: G1

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



0 Comentários
Comentários
Nenhum comentário :

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no Instagram

Postagem em destaque