Ñusta: A instigante múmia de 500 anos do Império Inca

em 14/02/2020


Quem acompanha o blog Noite Sinistra desde os seus primórdios (se é que alguém daquela época ainda acompanha esse humilde espaço), já deve ter lido alguma matéria sobre múmias por aqui, inclusive já falei sobre múmias da América do Sul (clique AQUI para saber mais), afinal de contas esse é um assunto que me fascina. Gosto do tema não por causa de ser algo assustador ou coisa do tipo, mas porque muitas vezes a mumificação estava relacionada a espiritualidade, ou a esperança de que algum dia aquela pessoa voltaria a viver e precisaria do seu corpo (essa é uma abordagem egípcia para o assunto, e embora essa não seja a temática da matéria de hoje, foi esse conceito que atraiu minha atenção para as múmias de um modo geral).

Sem mais demora, segue abaixo a matéria falando da história desta curiosa múmia Inca, que por sinal é uma das minhas 3 civilizações antigas favoritas.

No final do século 19, foi encontrada a múmia bem preservada de uma menina inca, apelidada de Ñusta, que significa princesa na língua quíchua, o cadáver é um dos mais relevantes para a antropologia e um marco a civilização inca — que viveu há cerca de 500 anos.

Em 1890, o cônsul dos Estados Unidos no Chile levou a múmia para a Universidade Estadual de Michigan, a fim de realizar análises na ossada para entender melhor em quais circunstâncias Ñusta havia morrido.

Leia Mais: As múmias mais estranhas do Japão


Um teste de radiocarbono marcou a data da morte da garota como sendo em 1470. Além de encontrar a múmia em um ótimo estado de preservação, foram localizados ao seu lado um pequeno pote de barro, algumas bolsas, estátuas de lhamas, milho, feijão e folhas de coca.



Descoberta nos Andes, em território boliviano, a princesa usava um vestido feito de lhama — ou, possivelmente, lã de alpaca —, seus cabelos estavam trançados e seu corpo se encontrava em uma posição sentada.

William A. Lovis, antropólogo que estudou a múmia inca e curador do museu do estado da Michigan, acredita que a menina fazia parte de um grupo de elite, e foi morta como parte de um ritual.


Image“É possível que a garota fosse uma pessoa importante e que os objetos colocados com ela tivessem tanta importância sagrada quanto um propósito útil. Outra possibilidade é que a morte dela tenha sido um sacrifício inca para apaziguar ou uma oferta às divindades incas”, alega Lovis.

De volta para casa

Após passar 80 anos em exibição na Universidade de Michigan, cientistas decidiram que era o momento de Ñusta, retornar à Bolívia. A antropóloga, Samantha Blatt, que esteve envolvida no repatriamento da múmia explicou a decisão: “O repatriamento é muito importante na antropologia agora. A Bolívia basicamente nos deu permissão para fazer essas análises, e todo o material dessas análises também será repatriado”.

Leia Mais: As múmias de San Bernardo Colômbia


Lovis também foi um dos pesquisadores que apoiou a volta dos restos mortais da menina inca para seu local de origem. “Cheguei à conclusão de que, se ninguém iria trabalhar com os artefatos ou os restos humanos e se não exibirmos os restos humanos, seria melhor devolvê-los à Bolívia”, afirmou ele.

Ñusta foi a primeira múmia utilizada para mostrar a importância arqueológica do repatriamento de um membro de uma civilização tão importante como a do Império Inca.

Fonte: Aventuras na História

Quando amanhecer, você já será um de nós...

4 comentários:

  1. Sou da opinião de que estas peças, se é assim que se pode chamar, tem que voltar a seu país de origem. Mas tem um porém. Se for um país igual ao Brasil que não dá nenhum valor aos seus museus e deixa eles se degradarem até arderem em chamas, que fique aonde está melhor cuidado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho opinião dividida em relação a isso sabe. Acho errado levar para outros lugares tesouros arqueológicos de um determinado país e tals, mas por outro lado muitos são os países que não estão nem aí para seu legado histórico, logo se não forem os pesquisadores de fora pouco ou quase nada será estudado. Não acho que esse seja o caso do Peru. Acredito que seja necessário que haja um equilíbrio...

      Excluir
  2. Eu acompanho desde os primórdios! Muito bom como sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Mario...os tempos estão difíceis para quem trabalha com blogs, o próprio público mudou de plataforma (hoje a maioria das pessoas prefere vídeos a textos), e nem posso culpar essa galera...kkkk. É bom saber que ainda tem bastante gente que gosta de ler...

      Excluir

Topo