Assassinato de Cathy Cesnik: A história do seriado "The Keepers"


Na matéria de hoje falaremos da misteriosa morte da irmã Cathy Cesnik. A morte de Cathy nunca foi solucionada, mas o caso acabou levando a uma grande discussão a respeito de abusos sexuais cometidos dentro do colégio feminino onde ela lecionava.

O caso acabou retratado pelo seriado "The Keepers" da Netflix. Convido os amigos e amigas a conferir um pouco mais a respeito desse interessante mistério.

A matéria acabou ficando um pouco mais extensa do que o costume, mas ela conta com uma série bem grande de relatos e de dados e conjecturas. Apreciem...

Catherine Cesnik


Catherine Anne Cesnik nasceu em 17 de novembro de 1942, no bairro de Lawrenceville, em Pittsburgh, Pensilvânia. Ela era a filha mais velha de Joseph e Anna Omulac Cesnik (falecido em 2015). Seus avós paternos, John (Jan) e Johanna Tomec Česnik, foram eslovenos que emigraram da Iugoslávia para Pittsburgh, enquanto seu avô materno, Joseph Omulac, veio da Iugoslávia e sua avó materna, Martha Hudok, nasceu na Áustria. Cesnik teve três irmãos.


Cesnik frequentou a St. Mary's School na 57th Street e St. Augustine High School, ambas em Lawrenceville. Foi oradora da sua turma de escola secundária católica em 1960, onde também foi a Rainha de Maio e presidente do conselho de estudantes e de turma sênior.

Cathy tormou-se uma uma freira católica, e no período em que acabou assassinada ela estava lecionando inglês e teatro na escola feminina Arcebispo Keough High School em Baltimore, Maryland (EUA).

Desaparecimento e morte

Cathy desapareceu no dia 7 de novembro de 1969. Nesse dia ela deixou o apartamento que dividia com a irmã Helen Russell Phillips no Carriage House Apartments, na 131 North Bend Road em Catonsville, a caminho do Edmondson Village Shopping Center para comprar um presente na Hecht's para o noivado da irmã. Registros indicam que Cesnik pagou com um cheque de pagamento no First National Bank em Catonsville naquela noite e possivelmente fez uma compra na Muhly's Bakery em Edmondson Village, uma vez que uma caixa de pães dessa padaria foi encontrada no banco da frente do carro de Cesnik.


O carro, coberto de lama, foi encontrado estacionado ilegalmente em frente ao seu complexo de apartamentos às 4:40 da manhã seguinte pelos amigos da irmã Russell, os padres Peter McKeon e Gerard J. Koob. Quando Cesnik não voltou para casa às 23h, sua colega de quarto telefonou para os dois sacerdotes, que foram até seu apartamento e chamaram a polícia. Mais tarde naquela noite, o novíssimo Ford Maverick verde de Cesnik foi encontrado destrancado e estacionado ilegalmente a um quarteirão do seu apartamento, apesar de ter um estacionamento designado atrás do prédio. Não havia sinal da freira em lugar algum.


Moradores da Carriage House Apartments avistaram Cesnik em seu carro por volta das 20:30h  e outros avistaram seu carro no local ilegalmente estacionado do outro lado da rua, cerca de duas horas depois.

Busca e descoberta do corpo

A polícia fez uma busca na área imediatamente após o desaparecimento de Cesnik, mas não a encontrou.

O homem designado para investigar o desaparecimento de Cesnik era Nick Giangrasso, um detetive de 28 anos que havia trabalhado no Departamento de Polícia da cidade de Baltimore por cinco anos. Giangrasso liderou a investigação no período em que Cesnik estava desaparecida, depois teve que entregar o caso aos detetives do condado de Baltimore quando seu corpo foi encontrado fora dos limites da cidade.



O corpo de Cathy Cesnik foi encontrado apenas no dia 3 de janeiro de 1970, quase dois meses depois do desaparecimento da freira. Ela foi encontrada por um caçador e seu filho, em um aterro informal localizado no bloco 2100 da Monumental Road, em uma área remota de Lansdowne.

Uma autópsia realizada pelo vice-legista Werner Spitz revelou que Cesnik morreu por causa de uma hemorragia intracerebral após uma fratura no crânio provocada por um golpe na têmpora esquerda por um instrumento contundente. Ela possuía marca de ferimentos de estrangulamento no pescoço.


O primeiro suspeito na investigação de Giangrasso foi Gerard Koob, um padre jesuíta. Koob era um dos padres que a colega de quarto de Cesnik tinha chamado quando percebeu que a freira não havia retornado de sua viagem de compras, e foi ele quem chamou a polícia para relatar a ausência de Cesnik. Ele estava em um relacionamento romântico com Cesnik na época. Dois anos antes, antes de ser ordenado e antes de ter feito os votos finais, ele pedira a ela que se casasse com ele. Ela recusou, mas eles continuaram a passar tempo juntos e escrever cartas de amor um para o outro. E três dias antes de Cesnik desaparecer, Koob a chamou de um retiro católico para dizer que ainda a amava. Ele estava preparado para deixar o sacerdócio por ela e esperava que ela deixasse a fizesse o mesmo por ele. A polícia considerou que por ter sido rejeitado Koob poderia ter agido motivado por raiva, mas nada substancial conseguiu ligar o padre ao caso, especialmente por ele ter um álibi irrefutável para a noite do desaparecimento de Cathy.


Após um período conturbado de investigações o caso acabou sendo arquivado, sem que nenhum culpado fosse levado a júri.

Os abusos cometidos por padres da região

Durante o período quem que Cesnik atuou na escola Arcebispo Keough High School, é alegado que dois dos padres, os Padres Joseph Maskell e E. Neil Magnus, estavam abusando sexualmente das meninas na escola, além de traficá- las para outras pessoas.


Em 1994, duas mulheres apresentaram acusações explosivas contra Maskell, que o o ligava ao assassinato da jovem freira. Identificadas em documentos judiciais na época apenas como "Jane Doe" e "Jane Roe", as mulheres acusaram Maskell de estuprá-las quando eram estudantes em Keough. As mulheres entraram com uma ação civil contra Maskell, a Arquidiocese de Baltimore, as Irmãs da Escola de Notre Dame, que dirigiam Keough, e um ginecologista de Baltimore chamado Dr. Christian Richter, buscando US $ 40 milhões em danos.

O tribunal julgou a ação como prescrita pelo estatuto de limitações. Requerentes apelaram. Um ato de certiorari foi concedido pelo Tribunal de Apelações de Maryland, que confirmou a decisão do tribunal de primeira instância, em parte, "... que o processo mental de repressão de memórias de abuso sexual passado não ativa a regra de descoberta. Os processos demandantes são, portanto, barrados pelo estatuto de limitação ".

As mulheres estavam com muito medo de Maskell e seus velhos amigos da polícia para usar seus nomes verdadeiros naquela época, mas Maskell morreu em 2001, e Jane Doe e Jane Roe finalmente estavam prontas a falar publicamente e revelar suas identidades: Teresa Lancaster e Jean Wehner.

Joseph Maskell, o capelão da polícia do condado de Baltimore

Na época da morte de Cathy Cesnik Maskell atuava como capelão da polícia do condado de Baltimore, da polícia estadual de Maryland e da guarda nacional de Maryland. Maskell mantinha um escâner da polícia e carregava a pistola no carro, tomava cerveja com os policiais em um bar de mergulho local e frequentemente passeava com seus amigos da polícia à noite para responder a pequenos crimes ou pegar adolescentes dirigindo carros.


Bob Fisher, dono de uma oficina automotiva no sudoeste de Baltimore, onde Maskell levou seu carro em seus dias de folga, lembra-se do padre que se gabava de seus privilégios policiais para quem quisesse ouvir. "Ele dizia: 'Eu ouvia algo no scanner, e pulávamos no carro e decolávamos, e pegávamos essas pessoas!'", Disse Fisher em 2015 aos 74 anos de idade.

O irmão mais velho de Maskell, Tommy, era um policial herói que havia sido baleado e ferido enquanto tentava impedir um assalto. Ir atrás de Maskell significaria violar as regras não escritas pelas quais a polícia operava. "Somos uma família da polícia", disse Giangrasso. “O policial está envolvido, a família dele está envolvida, nós tentamos ajudar o cara. Quando descobrimos que o irmão de Maskell era um tenente, sabíamos que tínhamos um problema.

Giangrasso se lembra da pressão de seus superiores para deixar o padre e outros membros do clero de fora das investigações. “Eu senti que a igreja estava entrando e interferindo, e a cadeia de comando estava descendo e nos checando - 'Quanto tempo você vai brincar com este caso?' - como se dissesse, você tem que voltar e siga em frente ”.

O corpo de Cesnik foi encontrado fora de sua jurisdição, no condado de Baltimore, onde Maskell era capelão, não foi coincidência, pensou Giangrasso. No entanto, ele teve que entregar o caso à polícia do condado de Baltimore. A polícia do condado nunca acusou ninguém.

Novas revelações começam a vir a tona

A morte de Maskell parece ter servido de encorajamento para muitas pessoas voltar a falar do assunto. Um grupo de pessoas que vivenciou os eventos da época, lançou sua própria investigação na esperança de responder às perguntas que continuam a incomodar a polícia: quem matou a irmã Cathy - e por quê?

Desse grupo fazem parte pessoas como:
  • Gemma Hoskins, uma professora aposentada do ensino fundamental que frequentou Keough de 1966-1970. Ela lidera o grupo de detetives amadores que está investigando o assassinato de Cesnik.
  • Abbie Schaub, uma enfermeira aposentada que estudou em Keough entre 1966 e 1970. Ela está trabalhando com Hoskins para investigar o assassinato.
  • Tom Nugent, ex-repórter do Baltimore Sun.
  • Nick Giangrasso, o detetive que investigou o caso para a polícia de Baltmore.
  • Teresa Lancaster, antiga estudante da Keough High School, atualmente advogada e uma das duas mulheres que em 1994 moveram a ação contra a Arquidiocese de Baltmore. 
  • Randy Lancaster, marido de Teresa.
Esse grupo de pessoas tem conseguido diversos testemunhos de antigas alunas da Keough High School.

Gemma Hoskins (direita) e Abbie Schaub (à esquerda)
Em 2016 foi revelado a um jornal local informações a respeito de que a Arquidiocese estivesse pagando quantias em dinheiro a supostas vítimas da dupla de padres para que esses não entrassem com processos na justiça como haviam feito Teresa Lancaster e Jean Wehner.

Wehner declatou certa vez que Cesnik uma vez chegou nela e disse gentilmente: "Os padres estão machucando você?" Tanto Wehner quanto Lancaster disseram que Cathy Cesnik foi a única pessoa que tentou ajudar elas e outras meninas abusadas pela dupla de padres. A dupla chegou a afirmar que a morte de Cathy ocorreu antes dela discutir o assunto com Arquidiocese de Baltimore, embora não haja evidências para essa afirmação.

Mesmo que essas alegações tenham vindo a tona anos depois da morte de Cathy Cesnik, elas causaram grande alvoroço na comunidade de Baltimore. Muitas pessoas começaram a questionar se  o padre Maskell estava envolvido na morte da freira, e até mesmo a questionar a participação da Arquidiocese no ocorrido.

Teorias da conspiração alegando que o caso da morte de Cathy Cesnik não foi solucionado por causa de acobertamentos de informações por parte da Arquidiocese passaram a ser veiculadas nos meios de imprensa mais sensacionalistas.

A Arquidiocese de Baltimore é a mais antiga dos Estados Unidos, e a Igreja a considera a principal jurisdição católica no país. Mais da metade dos moradores da cidade se identificam como católicos. Um exemplo dessa importância e da interferência da Arquidiocese na investigação pode ser observada na declaração de um ex policial de Baltimore.

Harry Bannon, outro investigador de homicídios aposentado de Baltimore, disse ao jornal Baltimore City em 2004 que achava que o suspeito Gerald Koob sabia mais sobre o assassinato do que estava admitindo, mas que a igreja o forçou a recuar do padre. “Os advogados da igreja intervieram e conversaram com os superiores do departamento de polícia. E nos disseram: 'Carregue Koob com um crime ou deixe-o ir. Pare de assediá-lo ”, disse Bannon, que morreu em 2009. “Depois disso, tivemos que nos afastar dele. E foi uma pena, porque tenho certeza de que Koob sabia mais do que estava dizendo."

O próprio detetive que investigou o caso, Nick Giangrasso, alegou, em 2015 aos 72 anos de idade, que: "A Igreja Católica teve muita participação no departamento de polícia", disse ele. "Muito poder."

Mas a declaração mais polêmica sobre o caso pertence a Jean Hargadon Wehner, que atualmente é uma reflexologista com registro no conselho. Ela alega que, dois meses antes do corpo de Cesnik ter sido descoberto, e apenas um dia ou dois depois do desaparecimento de Cesnik ocorrido em 7 de novembro, o padre Maskell teria levado ela a um local arborizado perto de Fort Meade e mostrou-lhe o corpo da freira. Wehner afirma lembrar-se de tentar repetidamente afastar os vermes que rastejam no rosto de Cesnik enquanto repetia freneticamente as palavras: "Ajude-me, ajude-me".

Jean Hargadon Wehner com 16 anos
O relato de Wehner foi questionado por evidências científicas que mostravam que seria impossível que os vermes estivessem vivos na superfície daquela época gelada do ano. No entanto, o patologista Werner Spitz, que trabalhou no caso, confirmou mais tarde que havia larvas na boca e na traqueia da vítima quando o corpo foi encontrado. Registros meteorológicos também revelam que a temperatura na semana em questão era alta o suficiente para as larvas eclodirem.

Jean Wehner alegou que Maskell teria dito: "Você vê o que acontece quando você diz coisas ruins sobre as pessoas?"

Muitas pessoas contestam a versão apresentada por Wehner, e principalmente o motivo que a levou a ficar tanto tempo em silêncio.

Wehner disse que por décadas ela enterrou a maior parte de suas memórias do que aconteceu em Keough. Ela começou a se lembrar do abuso sexual em partes, começando em 1992, quando viu fotos de Maskell lado a lado com a do diretor de serviços religiosos da escola, Pe. Neil Magnus, em seu anuário do ensino médio. "Meu corpo inteiro tremeu", disse Wehner. "Eu sabia." As imagens despertaram lembranças sombrias e dolorosas, ela disse, e os detalhes lentamente começaram a voltar para ela.


Mas por que ela não tornou públicas essas lembranças quando o criminoso ainda poderia ser preso?

A própria Jean Wehner  afirma que teve medo, afinal ela tinha apenas 16 anos na época, e logo após esse evento um outro crime a deixou ainda mais apavorada, acreditando que esse fato tivesse acontecido para que ela entendesse que Maskell não estaria de brincadeira. Essas recordações voltaram a atormentá-la.

Outro crime ligado a morte da freira?

Vários dias depois, em 13 de novembro, o corpo de Joyce Malecki, uma mulher de 20 anos que se parecia com muito com Wehner, foi encontrada por "dois caçadores" no mesmo local da florestala onde Maskell havia guiado Wehner para ver o corpo de Cesnik. Joyce Malecki havia desaparecido no dia 11 de novembro de 1969. Jean Wehner acreditou na época que esse era um recado definitivo para que ela ficasse calada em relação aos abusos que ela sofreu.

As investigações sobre os abusos

Keough era uma escola católica tradicional para meninas, onde as alunas eram obrigadas a usar saias  na altura dos joelhos e camisas xadrez até o pescoço. Mas não foi imune à contracultura dos anos 60. Ex-alunos de Keough disseram que no escritório de Maskell e na reitoria vizinha, onde ele morava, o padre ofereceu às meninas um ambiente descontraído e de mente aberta, onde podiam conversar livremente sobre sexo e drogas, beber álcool e fumar cigarros em seu sofá de veludo vermelho. Elas pedir ajuda a ele para lidar com seus pais católicos tradicionais.

No auge da revolução sexual, Maskell estava bem posicionado para explorar a atmosfera experimental e rebelde do final dos anos 1960 e início dos anos 70. Em um momento confuso, ele ofereceu um coquetel inebriante de orientação espiritual, hipnose, bebida alcoólica, pílulas e ele mesmo.

Maskell foi descrito como um jovem carismático de quase 20 anos quando começou a trabalhar como capelão em 1967, dois anos depois da inauguração. De ombros largos, olhos azuis claros, o padre descendente de irlandeses também servia como conselheiro psicológico da escola. Mais tarde, ele se formou em psicologia pela prestigiada Universidade Johns Hopkins.

Ex-alunos de Keough disseram que Maskell usou seu charme, seu treinamento em psicologia e sua autoridade moral para primeiro desarmar as jovens e depois manipulá-las para relacionamentos sexuais. Ele alvejou estudantes em dificuldades ou mal comportados.

Em 2016, o Departamento de Polícia do Condado de Baltimore (BCPD) reabriu o caso devido a oficiais aposentados, provocando novas entrevistas e investigações adicionais sobre o suposto abuso sexual em Keough.

Teresa Lancaster
Teresa Lancaster, mãe de quatro filhos e membro do grupo que tem procurado pistas que possam comprovar os crimes cometidos na escola católica, disse a um jornal local que, quando ainda era uma jovem em 1970, foi ao escritório de Maskell conversar com ele sobre alguns problemas em casa. Seus pais haviam encontrado um baseado de maconha na sua bolsa.  Ela disse, e eles não aprovaram o garoto de cabelos compridos que ela estava namorando. Era o meio do dia de aula, e Maskell a convidou para entrar no escritório e fechou a porta atrás dela. Ele então tirou a roupa dela e a obrigou a sentar no colo dele, nua. Ele disse a ela que estava tocando-a de uma maneira "piedosa".

"Ele disse: 'Eu não deveria fazer isso, mas acho que posso realmente ajudar as pessoas quando tenho contato físico'", lembrou Lancaster. "Eu estava completamente chocada."

Muitas vezes, as meninas não percebiam que estavam sendo estupradas e agredidas até meses ou anos depois. De fato, Lancaster acreditou por um curto período de tempo que ela estava em um relacionamento romântico com o padre. Às vezes ele tocava música irlandesa enquanto estava com ela, "quase como se fosse um encontro doentio", disse Lancaster. “Cerca de um mês mais ou menos, quando realmente pensei que ele me amava. ... Se há algum tipo de amor lá, então há sentido para tudo isso. Quando descobri que outras pessoas estavam indo para lá, me perguntei se ele também amava todas elas."

Quando ela começou a perceber a verdadeira natureza do relacionamento, Lancaster nunca revidou ou contou a ninguém, ela disse, porque Maskell ameaçou ela de expulsão por porte de drogas e de enviá-la para a Montrose School for Girls, uma instalação juvenil temida em Reisterstown, Maryland. Uma ou duas vezes, ela disse, ele a beijou e mostrou a arma carregada que ele mantinha em sua mesa na escola. "Ele me avisou que ou eu colaborava com o que ele queria fazer, ou ia ser pior do que eu jamais poderia imaginar", disse Lancaster.

Quando Maskell avistava uma garota que parecia estar perturbada ou agindo com indisciplina, ele começava a chamá-la para fora da sala de aula pelo alto-falante para a “terapia” em seu consultório.

Wehner disse que foi ver Magnus, o diretor de serviços religiosos da escola, procurando se confessar  quando tinha 14 anos, porque se sentia culpada pelo abuso sexual que sofreu quando criança. O padre virou-se para ela no confessionário, interrogou-a sobre os detalhes do abuso e começou a se masturbar enquanto falava, disse ela. Esse evento colocou ela no radar de Maskell.

Depois disso, Maskell e Magnus ligariam para seus escritórios para sessões de aconselhamento conjunto, que, segundo eles, tinham o objetivo de ajudá-la a encontrar o perdão de Deus pelo que ela fez quando criança. Ela diz que eles se masturbariam na frente dela, tirariam fotos nuas dela e a forçariam a realizar atos sexuais como parte de seu processo de "cura espiritual". "Eu pensei que eles estavam literalmente orando por mim", disse ela.

Logo, Maskell começou a chamar Wehner para fora da aula e entrar em seu escritório sem Magnus. Ele mostrava a ela pornografia, dizia a ela que estava tentando ajudar Deus a perdoá-la pelo abuso que ela sofreu quando criança e a estuprou. "Ele continuou dizendo que não parecia que eu estava aberto ao Espírito Santo e à graça de Deus", disse Wehner. "Eu estava apenas fazendo o que me foi dito, pensando que devo ser uma pessoa tão horrível que Deus não pode me perdoar."

As mulheres lembram que Maskell tinha um amigo ginecologista, o Dr. Richter, que as examinava para se certificar de que não estavam grávidas. Lancaster afirma que Maskell levou-a para ver Richter para um teste de gravidez e depois a estuprou na mesa enquanto Richter realizava um exame de mama.

Fisher, o dono da oficina conforme já mencionado mais acima, disse que Maskell se gabava de levar garotas do ensino médio para o ginecologista quando ele deixava o carro na loja à tarde. "Ele dizia: 'Eu e o médico, nós os pegamos de volta e fazemos exames e verificamos'", disse Fisher. "Não há dúvida de que ele esteve sempre envolvido nos exames - que ele deixou claro."

Richter, que morreu em 2006, negou ter abusado das garotas em uma entrevista com o Baltimore Sun durante a batalha judicial sobre o processo de 1994, mas admitiu que ele pode ter deixado Maskell entrar na sala durante os exames pélvicos. "É possível que ele tenha estado na sala de exames, na ausência dos pais, eu não sei, para acalmar a menina", disse Richter. "É muito possível que ele tenha aparecido na sala de exames. Ela tinha 16 anos. Ela provavelmente tinha muita fé nele."


Em 2016 a polícia do condado de Baltimore reabriu o caso e os depoimentos das jovens que foram abusadas na escola feminina Arcebispo Keough High School estão sendo coletadas.

"The Keepers"

Netflix produziu uma série de documentários em sete partes sobre o caso chamado The Keepers, que estreou em 19 de maio de 2017. A série apresenta entrevistas com mulheres que eram estudantes de Cesnik, e com alguns dos que foram sexualmente abusados ​​por Maskell e outros.


Embora The Keepers apareça como uma investigação para tentar descobrir quem matou a Irmã Cathy, a série encontra sua força narrativa quando foca no que aconteceu antes e depois da morte da freira. Por isso, o próprio assassinato se torna apenas uma pecinha, que faz parte de um quebra-cabeça imenso e pavoroso. É assim que o diretor Ryan White (de Nossa Querida Freda, Serena, Prop 8: O Casamento Gay em Julgamento) mergulha numa história aterrorizante sobre padres pedófilos e traumas de infância.


Quando amanhecer, você já será um de nós...

Comentários

SIGA-NOS NO FACEBOOK

POSTAGENS MAIS VISITADAS DA SEMANA

Links da Deep Web 2019

Links da Deep Web 2018

O menino do quarto Branco: A assombração da república Maracangalha - MG

Links da Deep Web

Os terríveis crimes da Rua do Arvoredo

Links Sinistros 152

A lenda da mulher do Táxi