Guerra Negra: O extermínio dos aborígines na Tasmânia Pular para o conteúdo principal

Guerra Negra: O extermínio dos aborígines na Tasmânia


Saudações amigos e amigas. Na matéria abaixo vocês podem conferir mais um exemplo de conflito típico do período expansionista europeu, tal como aconteceu no Congo, que foi uma dos maiores massacres étnico do período (clique AQUI para conhecer). Mas o caso apresentado hoje refere-se a um conflito ocorrido na Tasmânia onde o império Britânico passava a exercer influências e exterminou o povo local.

A Tasmânia é uma ilha um pouco maior que o estado da Paraíba, e está localizada a duzentos e quarenta quilômetros ao sudeste da Austrália. Os habitantes indígenas da ilha eram originalmente negros e, provavelmente, foram para lá atravessando uma ponte de terra antiga que ligava a Tasmânia ao continente.


Os aborígines da Tasmânia eram marcados por seu cabelo pixaim, tez negra, baixa estatura -homens com 1,60 metros e as mulheres 1,48 metros- e bem magrelos, dedicados à caça e a coleta com meios muito rudimentares. Estima-se que chegaram ao local há pelo menos 35 mil anos atrás, mas com a passagem do tempo, o surgimento gradual do nível do mar que submergiu a ponte de terra australiana da Tasmânia, os autóctones experimentaram mais de 10.000 anos de solidão e isolamento físico do resto do mundo, o mais longo período de isolamento da história da humanidade.


Para nossa grande desgraça, estas pessoas não legaram histórias escritas. Não sabemos como chamavam a si mesmos ou como chamavam sua terra. Tudo o que nós realmente temos são fragmentos de fotos e os registros e documentos dos europeus que começaram a chegar à ilha. Os nativos da Tasmânia tiveram o azar de que certo dia o navegante holandês Abel Janszoon Tasman aportasse na sua costa em 1642.

Anda que os britânicos tenham chamado de Black War (Guerra Negra), não foi declarada nenhuma guerra. Foi desta forma, que eles decidiram denominar o extermínio dos aborígines da Tasmânia promovido diretamente pelo Império britânico.

Em 1855 começou a se denominar Tasmânia por seu "descobridor", antes era chamada de Terra de Van Diemen por Anthony Van Diemen, governador geral da Companhia Holandesa das Índias Orientais naquela época. Mais tarde passaram por ali franceses e britânicos que começaram a escravizar muitos aborígines.


Em 1803, os britânicos estabeleceram uma colônia penal na Tasmânia e a ilha começou a receber toda a classe de bandidos e gente que não prestava da Inglaterra. Com estes indesejáveis também chegaram colonos dispostos a conseguir terrenos para se estabelecerem sem respeitar os territórios de caça dos aborígines.

Lógico que logo começaram a surgir os primeiros confrontos entre os colonos, apoiados pelo exército britânico, e os nativos locais que sempre levavam a pior: assassinatos, violações ou sequestros repetiam-se sem castigo algum para os europeus. Apesar de tudo, os nativos tasmanianos trataram de se defender, mas pouco podiam fazer com pedras e lanças de pau contra as armas de fogo.

Entre 1803 e 1830, a população estimada de mais de cinco mil tasmanianos reduziu-se para apenas uns duzentos. Em 1826, o Tasmânia Colonial Times justificava o massacre como autodefesa:

"Não estamos aqui para fazer trabalho filantrópico. A autodefesa é a primeira lei da natureza. Se o governo não eliminar os nativos [há uma proposta de realocá-los em outra ilha], serão caçados como animais."

Para acabar com aquele problema por via rápida, em 1828 foi publicada uma lei que autorizava a caça de autóctones estabelecendo uma recompensa de cinco libras pela captura de um adulto e duas libras por uma criança.

Em 1860 morreu o último homem tasmaniano e, como lembrança, o miserável George Stokell, da Sociedade Real da Tasmânia, ordenou que desossassem seu corpo e usassem a pele para fazer carteiras.

A última mulher tasmaniana, a rainha Truganini, viu sua mãe ser esfaqueada até a morte por um europeu. Seus irmãos foram sequestrados e levados como escravos para a Inglaterra. Seu marido foi afogado por dois europeus na presença dela, enquanto seus assassinos a estupraram. Ela morreu estripada em 7 de maio de 1876, aos 73 anos de idade. O genocídio havia terminado.

Rainha Truganini
Mas não é tudo: o corpo de Truganini foi exumado e seu esqueleto amarrado com arames foi colocado na posição vertical em uma caixa. Tornou-se por muitos anos a atração mais popular do Museu da Tasmânia e permaneceu em exibição até 1947. Somente em 1976, no centenário de sua morte, apesar das objeções dos donos do museu, seu esqueleto foi cremado e suas cinzas espalhadas no mar.


A tragédia dos aborígines da Tasmânia, por mais doloroso que seja seu relato, é uma história que deve ser contada para que nunca mais se repita. Que lições podemos aprender com a extinção dos tasmanianos? A história longa de carnificina, crueldade, selvageria e desumanidade que os britânicos infligiram para estas pessoas, nos permite inferir que eles mesmos, os colonos brancos da Tasmânia, muito mais do que a besta voraz retratada nos desenhos animados norte-americanos, foram os verdadeiro demônios da Tasmânia.

Fonte: Mdig

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Noite Sinistra no YouTube

Gostaria de convidar os amigos e amigas a darem uma conferida no canal Noite Sinistra no YouTube, onde vocês podem encontrar várias matérias interessantes. Para acessar basta clicar no banner abaixo.

Acesse o canal Noite Sinistra no YouTube

Não deixem de se inscrever!!!

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Comentários

  1. Assisto a muitos filmes e séries da Oceania e gosto bastante do estilo de dramaturgia e estética.Mas é impressionante como eles ignoram completamente o legado e a questão do genocídio dos nativos de toda região.A amargura característica e presente nessa "dramaturgia branca" parece resultado de uma sociedade forjada na violência,usurpação e culpa velada,mesmo.Nada diferente de nós com nosso povo indígena...vergonha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mesmo acontece com os norte americanos, que até bem pouco tempo atrás sempre que representavam os povos indígenas o faziam como vilões de filmes de faroeste.

      Excluir
    2. Verdade!E pior,colocavam atores brancos fazendo os indígenas.Até o Jack Palance fez indígena! Patético.

      Excluir
  2. Ever wanted to get free Twitter Re-tweets?
    Did you know that you can get them AUTOMATICALLY AND TOTALLY FREE by registering on Like 4 Like?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Siga-nos no Facebook

Postagens Recomendadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais acessadas no último mês

Links da Deep Web 2018

Saudações amigos e amigas. Hoje eu volto a publicar no blog Noite Sinistra uma matéria com links da deep web e prints da deep web.
Os links apresentados na matéria abaixo foram coletados entre janeiro e fevereiro de 2018, estando todos eles ativos nesse período, mas nada pode garantir que os mesmos estarão ativos até o final do ano, afinal de contas muitos sites na deep web mudam constantemente seus endereços afim de se manterem o mais seletivos quanto aos usuários que frequentam o espaço.

Exorcismo e orações em Latim

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Luka Rocco Magnotta (nascido Eric Clinton Kirk Newman; 24 de julho, 1982) é um ator pornográfico e modelo acusado de matar e desmembrar Lin Jun, um estudante chinês, e mandar vários de seus pedaços por correio para escritórios de partidos políticos canadenses e para escolas elementares de outra província.
Após o vídeo mostrando o assassinato ser publicado, primeiramente, em Fóruns da Deep Web (o vídeo ficou conhecido como "1 Lunatic 1 Ice Pick"), porém hoje em dia o vídeo já pode ser facilmente encontrado em sites especializados em terror Gore, Magnotta fugiu do país, tornando-se motivo para uma “Nota Vermelha da Interpol”, e assim iniciando uma verdadeira caçada internacional. Ele foi preso em 4 de Junho de 2012 em uma Lan House em Berlin, enquanto lia notícias a respeito de si mesmo.

O paraíso do LSD

Em 1997, um químico orgânico chamado Leonard Pickard, junto a Gordon Todd Skinner, construíram o maior laboratório de LSD do mundo. No local, um antigo silo nuclear, eram realizadas várias festas e orgias regadas a drogas.
Segundo fontes, tal laboratório era tão grande que chegou a produzir cerca de 90% do LSD disponível no mundo, isso sem falar nas grandes quantidades desconhecidas de MDMA, ALD-52, extrato de ergot e possivelmente LSZ.

Ted Bundy: O assassino de jovens mulheres

Saudações amigos e amigas. Hoje falaremos de um dos mais notórios serial killers que o mundo já conheceu: Ted Bundy. Ele assassinou cerca de 35 mulheres (crimes reconhecidos pelas autoridades) entre os anos de 1974 e 1978 em seis diferentes estados dos EUA. Ted Bundy é tido, por muitos, como o mais marcante serial killer dos EUA, tornando-se um verdadeiro pop star, muito disso talvez pela forma em que atuou no seu próprio julgamento, ou talvez pela desenvoltura que demonstrava defronte as câmeras em inúmeras entrevistas que deu durante o período em que esteve preso.