O túnel cavado com colheres que salvou prisioneiros judeus dos nazistas Pular para o conteúdo principal

O túnel cavado com colheres que salvou prisioneiros judeus dos nazistas


Durante a 2ª Guerra Mundial, 12 prisioneiros judeus conseguiram um feito notável: escaparam de seus captores nazistas usando apenas colheres. Os homens, que a princípio eram 40, cavaram um túnel de 34 metros e conseguiram libertar-se das atrocidades a que eram submetidos pelas forças alemãs.

Eles pertenciam ao que ficou conhecida como a "Brigada do fogo" ─ prisioneiros forçados a queimar cadáveres para encobrir os crimes nazistas, enquanto os russos avançavam rumo ao oeste da Europa na década de 40.

Sabendo que também seriam assassinados, os homens cavaram um túnel em um poço e escaparam. Onze deles conseguiram sobreviver à guerra.

O túnel foi redescoberto na floresta de Ponary, na Lituânia, por uma equipe de arqueólogos. Eles utilizaram uma tecnologia avançada para rastrear a estrutura.

A localização exata do túnel desapareceu perto do fim da guerra, mas uma equipe internacional formada por especialistas de Israel, Estados Unidos, Canadá e Lituânia conseguiu localizá-lo.


O grupo recorreu a um sistema de tomografia por impedância elétrica, o mesmo usado para a exploração de petróleo, para preservar restos mortais que possivelmente existissem no local.


'Desejo de viver'

A floresta de Ponar, conhecida agora como Ponary, está localizada nos arredores de Vilnius, capital da Lituânia, e era uma região habitada predominantemente por judeus, antes da eclosão da guerra.

Mas sob ocupação nazista, fossas coletivas foram cavadas na floresta para esconder corpos de até 100 mil pessoas, incluindo 70 mil judeus assassinados durante o Holocausto.

Na medida em que a guerra se aproximava do fim e o Exército Vermelho - as forças militares soviéticas - avançava rumo à Europa Ocidental, os nazistas passaram a tentar encobrir as atrocidades que haviam cometido.

Eles obrigaram, por exemplo, cerca de 80 prisioneiros do campo de concentração de Stutthof, na Polônia, a desenterrar corpos e queimá-los.

Chamados de Leichenkommando ("comando dos cadáveres"), posteriormente ficaram conhecidos como a "Brigada de fogo".

Em uma noite, contudo, em uma das fossas onde vários corpos haviam sido enterrados, os prisioneiros começaram a cavar um túnel.

E no dia 15 de abril de 1940, 40 homens tentaram escapar através da estrutura de 0,18 m².

Mas os guardas ouviram o barulho e conseguiram recapturar vários deles. Outros foram assassinados. Mas 12 escaparam - e 11 deles sobreviveram à guerra para contar sua história.

O arqueólogo Jon Seligman, da Autoridade de Antiguidades de Israel, responsável pelas pesquisas, disse que caiu em prantos quando descobriu o túnel. Seligman descreveu a estrutura como "testemunho reconfortante da vitória da esperança sobre a desesperança".

"O túnel é uma mostra de que mesmo em momentos sombríos, ainda há um desejo de viver", disse ele à agência de notícias AP.

Em entrevista ao jornal americano The New York Times, o arqueólogo Richard Freund, que também participou das buscas, disse que Ponary era um "marco zero para o Holocausto", uma prova dos assassinatos sistemáticos antes de os nazistas começarem a usar câmaras de gás.

Fonte: BBC

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Comentários

Siga-nos no Facebook

Postagens Recomendadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais acessadas no último mês

Links da Deep Web 2018

Saudações amigos e amigas. Hoje eu volto a publicar no blog Noite Sinistra uma matéria com links da deep web e prints da deep web.
Os links apresentados na matéria abaixo foram coletados entre janeiro e fevereiro de 2018, estando todos eles ativos nesse período, mas nada pode garantir que os mesmos estarão ativos até o final do ano, afinal de contas muitos sites na deep web mudam constantemente seus endereços afim de se manterem o mais seletivos quanto aos usuários que frequentam o espaço.

Exorcismo e orações em Latim

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Luka Rocco Magnotta (nascido Eric Clinton Kirk Newman; 24 de julho, 1982) é um ator pornográfico e modelo acusado de matar e desmembrar Lin Jun, um estudante chinês, e mandar vários de seus pedaços por correio para escritórios de partidos políticos canadenses e para escolas elementares de outra província.
Após o vídeo mostrando o assassinato ser publicado, primeiramente, em Fóruns da Deep Web (o vídeo ficou conhecido como "1 Lunatic 1 Ice Pick"), porém hoje em dia o vídeo já pode ser facilmente encontrado em sites especializados em terror Gore, Magnotta fugiu do país, tornando-se motivo para uma “Nota Vermelha da Interpol”, e assim iniciando uma verdadeira caçada internacional. Ele foi preso em 4 de Junho de 2012 em uma Lan House em Berlin, enquanto lia notícias a respeito de si mesmo.

O paraíso do LSD

Em 1997, um químico orgânico chamado Leonard Pickard, junto a Gordon Todd Skinner, construíram o maior laboratório de LSD do mundo. No local, um antigo silo nuclear, eram realizadas várias festas e orgias regadas a drogas.
Segundo fontes, tal laboratório era tão grande que chegou a produzir cerca de 90% do LSD disponível no mundo, isso sem falar nas grandes quantidades desconhecidas de MDMA, ALD-52, extrato de ergot e possivelmente LSZ.

Ted Bundy: O assassino de jovens mulheres

Saudações amigos e amigas. Hoje falaremos de um dos mais notórios serial killers que o mundo já conheceu: Ted Bundy. Ele assassinou cerca de 35 mulheres (crimes reconhecidos pelas autoridades) entre os anos de 1974 e 1978 em seis diferentes estados dos EUA. Ted Bundy é tido, por muitos, como o mais marcante serial killer dos EUA, tornando-se um verdadeiro pop star, muito disso talvez pela forma em que atuou no seu próprio julgamento, ou talvez pela desenvoltura que demonstrava defronte as câmeras em inúmeras entrevistas que deu durante o período em que esteve preso.