Policiais fazem parte do grupo de risco em relação a suicídios Pular para o conteúdo principal

Policiais fazem parte do grupo de risco em relação a suicídios


No Brasil, na década de 2000, mais de um milhão e meio de pessoas morreram por acidentes, homicídios e suicídios (mortes violentas). No período de 2000 a 2012, 1.703.499 brasileiros foram vítimas de mortes violentas, sendo 112.506 “lesões auto provocadas voluntariamente”, em outras palavras, mortes por suicídio. O suicídio ainda é um tabu para a população brasileira, apesar do seu crescimento continuo. Pouco se conhece, muito pouco se discute.

Pesquisas internacionais, apontam os policiais como um grupo de risco com relação ao suicídio, ou seja, estão mais expostos ao fenômeno do que a população em geral. Inúmeras razões ajudam a explicar essa exposição, uma delas é a facilidade de acesso às armas de fogo. Somam-se a isso, questões laborais como jornadas de trabalho intensas e estressantes, além de uma cultura policial fortemente hierarquizada.

A pesquisa que realizamos na Polícia Militar do Rio de Janeiro revelou que na PMERJ o diferencial das taxas de suicídio de policiais e da população é expressivo. O risco de morte por suicídio entre profissionais de segurança da Polícia Militar do estado do Rio de Janeiro em 2009 foi 6 vezes superior ao da população geral. Outros estudos também vêm discutindo o suicídio em forças policiais. Em 2013, a Revista Isto É publicou uma reportagem especial sobre os suicídios na Polícia Federal. No ano de 2011, foram registrados 12 casos de suicídios na PF. A Policia Federal contava um efetivo de aproximadamente 13 mil policiais neste ano.

Nos últimos cinco anos, já se registram 24 casos. De acordo com levantamento feito pela Federação Nacional dos Policiais Federais, em 2015, se a Polícia Federal fosse um país, considerando o mesmo grupo de 100 mil habitantes, assumiria a 7ª colocação em casos de suicídios (dentre os servidores ativos), com 27,02% de ocorrências, uma média de quatro registros por ano.

Um estudo sobre a Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP) registrou 59 casos de suicídios consumados e 86 tentativas de suicídio em sua corporação, somente no período de 2010 a 2012. Seu efetivo era de 91.766 policiais militares na ‘época. Quando pesquisados na internet, somente foram encontrados 7 desse total de 59 casos. Essa defasagem também é verificada nos casos da Polícia Federal.

Podemos explicar essa invisibilidade por dois possíveis fatores. O primeiro pelo clássico Efeito Werther – “Quando os suicídios aumentam” devido a mídia e a exposição sensacionalista. David Phillips chamou de “Efeito Werther”, referindo-se ao personagem da obra homônima de Goethe, publicada em 1774, em que o protagonista se suicida por conta de um amor frustrado. Desde então, suspeita-se que a exposição de casos de suicídio na mídia venha provocar uma histeria social, seja pela existência de uma carta suicida denúncia, seja pela ocorrência de homicídio seguido de suicídio, seja pela indignação dos familiares e colegas pela perda de alguém estimado.

A segunda chave explicativa deste tabu em torno das mortes por suicídio entre policiais são questões socioculturais e políticas. Estudos internacionais esclarecem que uma das razões da invisibilidade do fenômeno deve-se à cultura hierárquica e autoritária da polícia.

Embora o suicídio entre os profissionais de segurança permaneça invisível aos olhos dos gestores públicos e da população brasileira, o sofrimento psíquico e emocional de policiais tem ocupado cada vez mais espaço no debate público e na mídia. Esse é mais um desafio a ser enfrentado pelos nossos executivos estadual e federal e chefes de Polícia a médio e a longo prazo.

Fonte: Yahoo

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Comentários

Siga-nos no Facebook

Postagens Recomendadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais acessadas no último mês

Links da Deep Web 2018

Saudações amigos e amigas. Hoje eu volto a publicar no blog Noite Sinistra uma matéria com links da deep web e prints da deep web.
Os links apresentados na matéria abaixo foram coletados entre janeiro e fevereiro de 2018, estando todos eles ativos nesse período, mas nada pode garantir que os mesmos estarão ativos até o final do ano, afinal de contas muitos sites na deep web mudam constantemente seus endereços afim de se manterem o mais seletivos quanto aos usuários que frequentam o espaço.

Exorcismo e orações em Latim

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Luka Rocco Magnotta (nascido Eric Clinton Kirk Newman; 24 de julho, 1982) é um ator pornográfico e modelo acusado de matar e desmembrar Lin Jun, um estudante chinês, e mandar vários de seus pedaços por correio para escritórios de partidos políticos canadenses e para escolas elementares de outra província.
Após o vídeo mostrando o assassinato ser publicado, primeiramente, em Fóruns da Deep Web (o vídeo ficou conhecido como "1 Lunatic 1 Ice Pick"), porém hoje em dia o vídeo já pode ser facilmente encontrado em sites especializados em terror Gore, Magnotta fugiu do país, tornando-se motivo para uma “Nota Vermelha da Interpol”, e assim iniciando uma verdadeira caçada internacional. Ele foi preso em 4 de Junho de 2012 em uma Lan House em Berlin, enquanto lia notícias a respeito de si mesmo.

O paraíso do LSD

Em 1997, um químico orgânico chamado Leonard Pickard, junto a Gordon Todd Skinner, construíram o maior laboratório de LSD do mundo. No local, um antigo silo nuclear, eram realizadas várias festas e orgias regadas a drogas.
Segundo fontes, tal laboratório era tão grande que chegou a produzir cerca de 90% do LSD disponível no mundo, isso sem falar nas grandes quantidades desconhecidas de MDMA, ALD-52, extrato de ergot e possivelmente LSZ.

Ted Bundy: O assassino de jovens mulheres

Saudações amigos e amigas. Hoje falaremos de um dos mais notórios serial killers que o mundo já conheceu: Ted Bundy. Ele assassinou cerca de 35 mulheres (crimes reconhecidos pelas autoridades) entre os anos de 1974 e 1978 em seis diferentes estados dos EUA. Ted Bundy é tido, por muitos, como o mais marcante serial killer dos EUA, tornando-se um verdadeiro pop star, muito disso talvez pela forma em que atuou no seu próprio julgamento, ou talvez pela desenvoltura que demonstrava defronte as câmeras em inúmeras entrevistas que deu durante o período em que esteve preso.