Múmias budistas japonesas Pular para o conteúdo principal

Múmias budistas japonesas


Quando se ouve falar em múmias, logo vem à cabeça as múmias dos faraós do antigo Egito. Mas em muitos países existem uma grande variedade de múmias, inclusive no Japão! E são sobre as múmias japonesas que iremos falar hoje. O que diferencia as múmias budistas japonesas das demais, é o fato de que a mumificação era precedida do suicídio da pessoa a ser mumificada.

Eis aí um assunto que mistura a religiosidade e o fanatismo em boas doses macabras. São os Sokushinbutsu, múmias de monges budistas que viveram no Japão, especialmente na região de Yamagata. Esses monges faziam parte da Seita Shingon, uma seita que surgiu com a ideia de iluminação através da punição física.

Para a mumificação ser concluída com sucesso, levava-se cerca de 10 anos. Acredita-se que centenas de monges tentaram essa prática de suicídio, mas apenas 24 múmias tenham conseguido chegar nesse estágio completo de mumificação.


História do Sokushinbutsu
A prática foi iniciada por um monge chamado Kuukai, fundador da seita budista Shingon, no complexo de templos do Monte Koya, em Wakayama. Em 1700 houve uma fome terrível no Japão e Kuukai decidiu que a melhor maneira de acabar com a fome seria enterrar-se vivo. A partir de então, ele criou o ritual de mumificação, onde ele próprio se auto mumificou.

Durante o ritual, que se iniciava com 1000 dias (cerca de 3 anos), os monges Shingon, entravam em uma dieta especial sem líquidos e composta somente de nozes e sementes. Também entravam em um programa rigoroso de atividade física, que juntamente com a dieta, ajudavam-o a perder água e gordura corporal.

Após esse processo, eles passavam para a segunda parte do ritual, onde comiam apenas cascas e raízes e bebiam um chá venenoso feito de Urushiol, substância tóxica, encontrada na seiva da árvore Urushi, por mais 1000 dias.

O chá causava vômitos e uma perda rápida de fluidos corporais e, o mais importante – o chá venenoso ajudaria o corpo a não ser comido pelos vermes, micróbios e bactérias, que causariam uma deterioração rápida do corpo após a morte.

Esse envenenamento era lento e debilitava o monge aos poucos. Depois vinha a terceira parte do ritual, onde o monge deveria se trancar em uma espécie de tumba de pedra, pouca coisa maior do que o seu corpo, onde ele permaneceria imóvel, na tradicional posição de lótus.

Sua única conexão com o mundo exterior era um pequeno tubo de bambu, que serviria para ventilar a minúscula tumba e um sino, onde ele deveria tocar de tempos em tempos, para notificar aos monges do lado de fora, que ainda estaria vivo. Caso o sino deixasse de tocar, significaria que o monge estava morto.

Após a morte do monge, vem a última parte do ritual. Os monges retiravam o tubo responsável pela passagem do ar e vedavam inteiramente o túmulo por mais 1000 dias. Somente após esses período, o túmulo era aberto e os monges verificavam se a mumificação foi bem ou mal sucedida.

Se o monge estivesse mumificado em perfeitas condições, ele era considerado um “Buda Vivo” e era colocado no templo com toda pompa, para ser cultuado como uma divindade. Porém, eram poucas as vezes que a mumificação alcançava esse estágio de perfeição. Na maioria das vezes, o que era encontrado era apenas um corpo em estado de decomposição.

As múmias que restaram, ainda mantém as roupas e acessórios que usavam durante o processo de auto mumificação. Apenas os olhos foram removidos, pois acreditava-se que apesar disso, eram capazes de ver as almas dos vivos e perceber a realidade com perfeição. Eles eram respeitados pela sua resistência, obstinação e também por terem alcançado a “iluminação de Buda“.

Hoje existem cerca de 24 múmias de monges, porém apenas 16 deles podem ser visitados. O mais famoso é Shinnyokai Shonin do Templo Dainichi-Boo no Monte Yudono. Outros podem ser encontrados em outros locais, como no Templo Nangakuji, nos subúrbios de Tsuruoka e no Templo Kaikokuji na cidade de Sakata.

Em 1800, o governo japonês proibiu esse ritual por entender que se tratava de um ato suicida e hoje não é mais praticada por nenhuma seita budista.




Comentários

  1. Eu sou louca por tudo que venha do Japão(menos um certos vídeos que vem de lá, se é que me entende! rrss Coloca a carinha do Mr. Bean aqui kkk). Adorei a postagem, e ainda não conhecia as múmias budistas!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Siga-nos no Facebook

Postagens Recomendadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais acessadas no último mês

Links da Deep Web 2018

Saudações amigos e amigas. Hoje eu volto a publicar no blog Noite Sinistra uma matéria com links da deep web e prints da deep web.
Os links apresentados na matéria abaixo foram coletados entre janeiro e fevereiro de 2018, estando todos eles ativos nesse período, mas nada pode garantir que os mesmos estarão ativos até o final do ano, afinal de contas muitos sites na deep web mudam constantemente seus endereços afim de se manterem o mais seletivos quanto aos usuários que frequentam o espaço.

Exorcismo e orações em Latim

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

Luka Rocco Magnotta: 1 Lunatic 1 Ice Pick

Luka Rocco Magnotta (nascido Eric Clinton Kirk Newman; 24 de julho, 1982) é um ator pornográfico e modelo acusado de matar e desmembrar Lin Jun, um estudante chinês, e mandar vários de seus pedaços por correio para escritórios de partidos políticos canadenses e para escolas elementares de outra província.
Após o vídeo mostrando o assassinato ser publicado, primeiramente, em Fóruns da Deep Web (o vídeo ficou conhecido como "1 Lunatic 1 Ice Pick"), porém hoje em dia o vídeo já pode ser facilmente encontrado em sites especializados em terror Gore, Magnotta fugiu do país, tornando-se motivo para uma “Nota Vermelha da Interpol”, e assim iniciando uma verdadeira caçada internacional. Ele foi preso em 4 de Junho de 2012 em uma Lan House em Berlin, enquanto lia notícias a respeito de si mesmo.

Cinco mulheres que afirmam ter dado a luz ao filho do Diabo

Saudações amigos e amigas. Hoje decidi compartilhar com vocês uma bizarra lista, na qual conheceremos a história de 5 mulheres que afirmam ter dado a luz ao filho do demônio. Convido a todos a conhecerem esses estranhos relatos.

A origem da Deep Web

O termo Deep Web passou a ser usado entre os anos de 2001 e 2002, e hoje em dia é sinônimo de crimes cibernéticos e da obscuridade humana. Embora ainda não fosse denominada da forma que é hoje, a deep web já está ativa desde a década de 70. Convido todos a conhecer um pouco mais sobre esse assunto na matéria abaixo.