A "festiva" morte de Betsy Davis | Noite Sinistra
01/03/2018

A "festiva" morte de Betsy Davis


Em 2016 Betsy Davis chamou amigos e familiares para uma festa de despedida que durou dois dias. No final da festa a anfitriã cometeu suicídio. Convido os amigos e amigas a conhecer essa interessantes história na matéria abaixo.

Uma das grandes ironias da nossa existência é que a única certeza da nossa vida é a morte, e muitas pessoas possuem um jeito especial para lidar com esse evento, ou com os dias que antecedem nossa "última viajem". Uma das mortes mais incríveis que já viu foi a de Betsy Davis, que faleceu em 30 de junho de 2016. Ela convidou 30 de seus amigos mais próximos e familiares para uma festa de fim de semana em sua casa no sul da Califórnia. No final do evento estava marcado seu suicídio.

O convite dizia: "Estas circunstâncias são diferentes de qualquer evento que você tenha participado antes, exigindo estabilidade emocional, centramento, e abertura."

Ela também definiu uma regra para o evento: Não chorar na frente dela.

Quando ela foi diagnosticada com ALS (esclerose lateral amiotrófica), em 2013, a artista de 41 anos de idade, era uma mulher bonita e produtiva. Mas a doença de Lou Gehrig é terrível e cobra um preço alto na qualidade de vida do paciente.

ALS é incurável e afeta as células nervosas do cérebro e da medula espinhal. Betsy foi perdendo todo o controle de seu corpo, que em um determinado momento iria mesmo desligar de vez. Assim, ela decidiu realizar este encontro de despedida como uma forma alegre de dizer adeus aos amigos queridos antes de se tornar uma das primeiras californianas de tomar uma dose letal de drogas, finalizando sua vida por vontade própria.

A festa de dois dias foi cheia de diversão e risos, mas todos sabiam que ela iria culminar no suicídio de Betsy.


Mais de 30 pessoas vieram de todo o país para passar dois dias em uma bela casa de montanha no sul da Califórnia. Os hóspedes tocaram instrumentos, tomaram umas biritas, comeram pizza do restaurante favorito de Betsy, e assistiram a exibição de seus filmes favoritos. Os amigos mais tarde disseram que a artista transformou sua morte em um “desempenho final.”


Depois de perder gradualmente o controle de seu corpo, Davis sentiu as dores psicológicas causadas pela gradual incapacitação. Assim, ela passou meses planejando sua saída final.

Ela se tornaria um dos primeiros residentes da Califórnia a tomar uma dose letal de drogas sob a nova lei do suicídio assistido por médicos do estado para os doentes terminais.

Durante a festa, cuidadores de Betsy traduziram seu discurso para os convidados, explicando como ela foi afetada por sua condição. Mas Betsy foi capaz de rolar sua cadeira de rodas elétrica em toda a casa, certificando-se de passar tempo de qualidade com cada um de seus amigos. Os hóspedes também foram convidados a levar para casa uma “lembrança de Betsy”, como uma peça de arte, acessórios ou produto de beleza. Sua irmã colocou notas explicativas em cada item, dando a cada objeto um significado.

Niels Alpert, um cineasta de Nova York, também estava na festa. Ele fez as fotos para capturar os momentos preciosos da despedida. “Para mim e para todos que foram convidados, era muito difícil de considerar, mas não havia dúvida de que estaríamos lá para ela”, disse ele.


“No fundo do belo divertido, sorrisos e risadas que tínhamos, naquele fim de semana havia o conhecimento do que estava por vir.” No final de semana, todos se reuniram para uma foto final e se despediram. Betsy foi levada para uma cama de dossel na encosta, vestindo um quimono ela comprou em 2013, logo depois de ser diagnosticada com a doença fatal.


Às 6:45 horas, Betsy assistiu seu último pôr do sol e tomou uma combinação letal de medicamentos prescritos pelo seu médico. Ela estava cercada por seu cuidador, seu médico, massagista, e sua irmã.

Quatro horas depois, Betsy morreu.

O que Betsy fez deu-lhe a morte mais bonita que qualquer pessoa poderia desejar”, disse um de seus amigos. “Ao assumir o comando, ela virou o sofrimento em uma obra de arte”.

Não é de admirar que as pessoas em todo o país tenham sido tocados pela vida de Betsy e principalmente por sua morte.

Algumas pessoas criticaram a artista por "romantizar" de tal forma a sua morte, outros a criticaram por apenas desistir. O caso acabou servindo para novamente aquecer as discussões a respeito da eutanásia, embora nada tenha de fato mudado na legislação da Califórnia a respeito do assunto.

Amigos de Betsy Davis reunidos na despedida da artista
E vocês amigos e amigas, qual seria a postura de vocês caso de encontrassem em uma situação semelhante a de Betsy Davis?

Fonte: Mundo Gump

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



3 Comentários
Comentários
3 comentários:
  1. Ela não romantizou o suicídio. Ela ja estava sofrendo a muito tempo, não melhoraria mais, muito pelo contrário, ela se deu a chance de se despedir de todos os amigos e entes queridos, deu a eles esta chance tbm, de se despedir dela. Foi digna. Que descanse em paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa coisa de pessoas afirmando que a atitude da Betsy teria romantizado o suicídio é balela. Somos donos da nossa vida e por consequência da nossa morte. Cada pessoa decide como deseja se despedir da vida...seja com festa ou com tristeza. Mas claro essa é a nossa opinião...

      Excluir
  2. Vi isso na série Frankie e Grace. Uma amiga delas, muito querida desistiu de viver, ja estava com idade avançada tbm, então reuniu os amigos mais queridos, fez uma bela festa na casa da praia e finalizou sua vida.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no Instagram

Postagem em destaque